Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 11º MÁX 20º

Edição

Plano 2020/2030: PAN critica falta de "visão progressista" do Governo

O porta-voz do PAN considerou hoje que "falta uma visão progressista" ao Plano de Recuperação e Resiliência, apontando que assenta "num modelo económico obsoleto" e queixou-se de falta de abertura do Governo quanto ao Orçamento do Estado.

Plano 2020/2030: PAN critica falta de "visão progressista" do Governo
Notícias ao Minuto

15:52 - 21/09/20 por Lusa

Política PAN

"Falta uma visão progressista", afirmou, indicando que este plano de recuperação a ser executado até 2026 e que é um dos instrumentos desenhados a partir da visão estratégica de Costa e Silva, "assenta num modelo económico obsoleto" baseado "na extração de recursos".

André Silva lamentou, de seguida, que não estejam "definidas propostas" quanto ao combate às alterações climáticas, e que o documento seja "insuficiente" quanto à economia circular" porque não tem uma "visão para a redução de resíduos", e indicou que o PAN "irá dar os seus contributos".

Também "insuficientes" são as respostas sociais apresentadas, tendo o líder do Pessoas-Animais-Natureza reiterado a defesa da criação de um rendimento básico de emergência, na sequência da crise provocada pela pandemia de covid-19.

"É fundamental para o país existir um portal de transparência", para que os portugueses saibam "em tempo real que investimentos estão a ser feitos", propôs também.

O deputado deu ainda conta de que as reuniões técnicas que estão a decorrer entre o partido e o Governo para preparar o Orçamento do Estado para 2021, "não estão a ir no caminho de convergência que o Governo tem dito que quer fazer com o PAN" e "não tem havido a abertura que o PAN gostaria que existisse".

"Demos conta ao primeiro-ministro que é importante que, de se o Governo quer contar com o PAN para alavancar e dar uma nova resposta à economia, tem de ter outro tipo de abertura", insistiu.

Aos jornalistas, André Silva falou em dificuldades de comunicação com o Ministério das Finanças, mas ressalvou que estão "a meio de uma negociação" e que "todas as negociações são difíceis".

Questionado se foi mais fácil dialogar com o anterior ministro das Finanças, Mário Centeno, em negociações sobre orçamentos passados, o porta-voz do PAN destacou que "são momentos diferentes, contextos diferentes e propostas diferentes" e que "não há comparação que possa ser feita nessa medida".

O esboço do Plano de Recuperação e Resiliência prevê um investimento de 12,9 mil milhões de euros em resiliência e transição climática e digital, sendo a maior fatia, 3.200 milhões de euros, destinada a saúde e habitação.

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em São Bento (Lisboa) ao longo do dia com os partidos com representação parlamentar, a quem está a apresentar as linhas gerais deste plano, dividido em três grandes áreas: resiliência, transição climática e transição digital.

Para a resiliência, que junta as vulnerabilidades sociais, o potencial produtivo e a competitividade e coesão territorial, o Governo prevê um investimento de sete mil milhões de euros, mais de metade do total, sendo que a maior parcela, 3.200 milhões, será aplicado no Serviço Nacional de Saúde, na habitação e em respostas sociais.

Para o potencial produtivo, que agrega o investimento e inovação com qualificações profissionais, estão destinados 2.500 milhões de euros, segundo o documento distribuído aos jornalistas em São Bento.

Já para a competitividade e coesão territorial são previstos 1.500 milhões de euros.

Para a transição climática, o plano prevê um investimento de 2.700 milhões de euros e para a transição digital estão alocados três mil milhões, divididos entre as escolas, as empresas e a administração pública.

A primeira versão deste plano, que é um dos instrumentos desenhados a partir da visão estratégica de Costa e Silva, vai ser apresentado em 14 de outubro no parlamento, e no dia seguinte será apresentado à Comissão Europeia.

O Plano de Recuperação e Resiliência enquadra-se no Plano de Recuperação Europeu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório