Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2020
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

PCTP/MRPP em congresso para se refundar como partido comunista operário

O PCTP/MRPP assinala hoje os seus 50 anos num congresso extraordinário, de dois dias, em que pretende refundar-se como um partido comunista operário, preparar "os caminhos da revolução" e "ajustar contas" com quem os quis "liquidar".

PCTP/MRPP em congresso para se refundar como partido comunista operário
Notícias ao Minuto

17:30 - 18/09/20 por Lusa

Política PCTP/MRPP

O congresso, à porta fechada, num hotel de Lisboa, que termina no sábado, vai discutir "a refundação de um Partido Comunista Operário, na tradição do que levou à fundação, em 18 de setembro de 1970, do Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (MRPP)", lê-se num comunicado da comissão de imprensa do partido.

Este encontro, ainda segundo o comunicado, "pretende virar o partido para o futuro", para estar preparado a "encabeçar os múltiplos combates que a classe operária e o povo vão ter de enfrentar, contra a exploração e as perseguições fascistas que se avizinham".

"É para que se clarifiquem quais os caminhos que os marxistas, os comunistas, os operários e os seus aliados devem trilhar para que a revolução seja bem-sucedida, que também tem lugar este congresso", resume-se no comunicado.

Sem nunca identificar ninguém, a comissão de imprensa do PCTP/MRRP traça outro objectivo para o congresso: "um ajuste de contas com aqueles que tudo fizeram para o liquidar, tarefa de que foram incumbidos pela burguesia".

Esta é, segundo acusa a comissão, uma "clique que aposta no fraccionismo, através da táctica oportunista do policentrismo, uma clique que quase levou ao estrangulamento financeiro do partido" e que depois "desertou".

O I congresso extraordinário do partido será também "uma evocação do empenho" do fundador - "o nosso querido e saudoso camarada Arnaldo Matos" - que quis dar "à classe operária um quartel-general livre da influência de revisionistas e toda a sorte de oportunistas, e um novo impulso revolucionário que assegure o devir histórico do proletariado em Portugal e no mundo".

Arnaldo Matos, que nasceu em Santa Cruz, Madeira, em 24 de fevereiro de 1939, morreu aos 79 anos em Lisboa, em 22 de fevereiro de 2019, a dois dias de cumprir 80 anos.

Em 18 de setembro de 1970, Arnaldo Matos, também conhecido como "grande educador da classe operária", fundou o MRPP numa casa da rua da Estrada do Poço do Chão, em Benfica, Lisboa, juntamente com Fernando Rosas, Vidaúl Ferreira e João Machado.

O partido, maoísta, onde também militaram Durão Barroso ou Ana Gomes, fundou-se numa lógica de combate ao PCP que acusava de seguir uma ideologia "revisionista" e de abandonar o "proletariado".

Importante na luta antifascista antes do 25 de Abril de 1974, o MRPP tinha implantação junto de estudantes e ficaram para a história as manifestações contra a guerra colonial ou ainda o 'slogan' "nem mais um soldado para o Ultramar", já depois do golpe militar e de o Movimento das Forças Armadas (MFA) prometer o fim do conflito e a descolonização.

"Nesses meses, de um verão quente que começa antes do verão e que se prolonga outono dentro, o MRPP é a força hegemónica da extrema-esquerda", escreve o jornalista Miguel Marujo, citando um dos fundadores, Fernando Rosas, na obra "Morte aos traidores! A história improvável do mais controverso partido político português", lançado em 2018.

Na segunda metade da década de 1970, o MRPP "agita massas, promove comícios anunciados de manhã para o fim da tarde, usa uma forte componente de agitação e propaganda, por vezes tumultuosa, com uma importância social e política aparentemente mais mediática (como hoje se diz) do que real", considera o autor.

Dois anos depois da revolução dos Cravos, em dezembro de 1976, transformou-se, então, no Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses -- Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado - PCTP/MRPP - mantendo a foice o martelo, sobre um fundo amarelo, como símbolo.

Em 1982, o advogado madeirense afasta-se do partido, mas regressa em 2005, com a publicação de artigos no órgão oficial do PCTP/MRRP, "Luta Popular".

Em 2015, ano em que Garcia Pereira saiu do partido, surgem as notícias que dão conta de uma trocas de acusações de "traição" do fundador com Garcia Pereira, que, durante anos, foi o candidato do MRPP a sucessivas eleições, de europeias a presidenciais.

Nas últimas eleições legislativas, em 2019, o PCTP/MRPP obteve 36.118 votos, o que corresponde a 0,69%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório