Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2020
Tempo
24º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

BE quer que dados apresentados no Infarmed sejam entregues ao Parlamento

O BE defendeu hoje que os dados sobre a pandemia apresentados pelos especialistas nas reuniões no Infarmed passem a ser entregues no parlamento, de 15 em 15 dias, considerando que estas informações são importantes para implementar políticas eficazes.

BE quer que dados apresentados no Infarmed sejam entregues ao Parlamento
Notícias ao Minuto

14:26 - 09/07/20 por Lusa

Política Covid-19

Num requerimento a que a agência Lusa teve acesso, os bloquistas referem que nas reuniões no Infarmed, que tinham uma "base sensivelmente quinzenal", especialistas em saúde, autoridades de saúde e diferentes instituições "prestam informações sobre os dados da epidemia, a sua caracterização, evolução, comparação com outros países, para além de inquéritos e estudos sobre o impacto da epidemia na população ou sobre o impacto de determinantes socioeconómicos na evolução da epidemia".

"Sem essa informação qualquer medida política é um tiro no escuro. É por isso que o Bloco de Esquerda pretende que os dados disponibilizados nas 'reuniões do Infarmed' continuem a ser transmitidos, agora à Assembleia da República, em periodicidade quinzenal, independentemente da continuação ou não dessas reuniões, nesse ou noutro formato", justifica o partido.

Assim, segundo o requerimento assinado pelo deputado Moisés Ferreira, é pedido à Comissão de Saúde que "solicite aos peritos e entidades que compunham o painel de apresentações das 'reuniões do Infarmed' de entrega, com base quinzenal, de dados sobre a epidemia de Covid-19 em Portugal, sua evolução e caracterização, assim como estudos sobre determinantes socioeconómicos".

O BE pretende ainda que seja publicado na página de internet do parlamento "as apresentações divulgadas em todas as 'reuniões do Infarmed', assim como os documentos que vierem a ser entregues à comissão pelos peritos e instituições".

"Estas informações são importantes para que se possam tomar medidas políticas eficazes que efetivamente mitiguem a situação epidémica em Portugal e previnam o aparecimento de novos surtos", afirma.

Na perspetiva do BE, "sem se conhecer a evolução e dinâmica da epidemia, os fatores por trás dos surtos e as condições de vida que estão a levar a novas infeções não é possível adotar medidas políticas eficazes".

Em declarações à agência Lusa, Moisés Ferreira explicou que para haver "medidas eficazes e efetivas", ou seja, "medidas políticas que sejam coerentes e consistentes para mitigar a pandemia de covid-19", é preciso haver informação.

"Temos que saber não só quantos novos casos por dia e em que regiões, mas para além disso temos que ter informação por trás desses casos porque é preciso saber que tipo de surtos, onde é que eles estão, quem são as pessoas envolvidas, qual é a caracterização socioeconómica dessas pessoas, quais os principais fatores de transmissão do vírus porque senão não é possível ter medidas políticas que efetivamente sejam dirigidas às causas", elencou.

Assim, segundo o deputado do BE, "independentemente de as reuniões no Infarmed acontecerem ou não acontecerem", o partido quer garantir que "há sempre informação a ser disponibilizada na Assembleia da República", não pondo de parte "a qualquer momento que seja necessário chamar à Assembleia da República as pessoas presencialmente, se e quanto for necessário".

"As reuniões têm sido úteis e às vezes até havia mais informação que poderia ser explorada e ser dada, como o BE foi dizendo. O que é preciso é mais informação e não menos informação, é preciso mais dados e não menos dados", respondeu.

O primeiro-ministro afirmou na quarta-feira que as reuniões com epidemiologistas no Infarmed, em Lisboa, vão continuar, mas não foi marcada a seguinte porque a situação pandémica no país está estabilizada e não há informação relevante nova para partilhar.

Esta explicação foi transmitida por António Costa no final de uma reunião com a presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares, depois de, horas antes, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter anunciado que as sessões com especialistas e políticos no Infarmed terminaram, pelo menos para já, e defendeu que este foi um exercício de transparência sem paralelo que valeu a pena.

Questionado pelos jornalistas se vão acabar as reuniões no Infarmed, onde participam o Presidente da República e representantes de partidos, entre outras entidades, para partilha de informação sobre a evolução da covid-19 em Portugal, o primeiro-ministro negou o fim dessas reuniões e admitiu que uma nova possa ter lugar até ao final deste mês.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório