Meteorologia

  • 11 AGOSTO 2020
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 26º

Edição

Governo está a "demarcar-se" da política dos últimos cinco anos

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que o Governo PS está a "demarcar-se das políticas dos últimos cinco anos", reagindo assim às declarações recentes do secretário-geral do PS, António Costa.

Governo está a "demarcar-se" da política dos últimos cinco anos

"Quem se está a demarcar da política realizada nos últimos cinco anos é o Governo", afirmou Jerónimo de Sousa, durante uma visita a uma cultura de trigo no Cadaval, no distrito de Lisboa.

Para o secretário-geral do PCP, nos últimos cinco anos, os partidos da 'geringonça' "conseguiram a reposição de rendimentos, de salários, de direitos e essa valorização permitiu o crescimento".

"Hoje temos uma situação diferente, com um Orçamento Suplementar, que reconhece a possibilidade de corte de salários, em que um trabalhador pode perder três salários durante doze meses, em que não se proíbe os despedimentos nesta fase difícil para muitos portugueses, e em que há falta de resposta crucial a muitos micro, pequenos e médios empresários", diferenciou o comunista.

No sábado, o secretário-geral do PS, António Costa, declarou que vai manter o rumo político e que não haverá "bloco central" PS/PSD, frisando que recusa aceitar que a esquerda seja incapaz de se entender sobre uma visão comum para o país.

António Costa deixou esta série de recados sobretudo dirigidos ao Bloco de Esquerda e ao PCP na intervenção que proferiu perante a Comissão Nacional do PS, em que se referiu principalmente à forma como se desenrolaram as negociações políticas da proposta do Governo de Orçamento Suplementar para 2020, aprovada na sexta-feira em votação final global.

Uma proposta que teve o apoio dos socialistas, abstenções do PSD, Bloco de Esquerda e PAN e a oposição do PCP, PEV, Iniciativa Liberal e Chega.

Sem se referir diretamente ao voto contra dos comunistas, assim como a movimentações táticas, principalmente entre comunistas e Bloco de Esquerda, no atual quadro parlamentar, o secretário-geral do PS falou então em jogos perigosos em termos de consequências políticas.

"Cada um é livre de seguir o caminho que entende. Mas não pode acontecer que cada um ache que o outro vai agir de uma forma, com isso condicionar o seu próprio comportamento e, depois, enganando-se na forma como o outro está a agir, acaba por conduzir a uma situação que ninguém deseja", advertiu.

Sobre a realização de debates quinzenais do Parlamento, Jerónimo de Sousa explicou que o partido não tem uma "posição fechada", admitindo, contudo, que "é um debate onde o governo se confronta com as diversas forças políticas, o que é saudável em democracia e permite colocar questões e interesse nacional".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório