Meteorologia

  • 06 JULHO 2020
Tempo
28º
MIN 19º MÁX 37º

Edição

Bloco quer mitigar causas socioeconómicas que influenciam pandemia

O BE defendeu hoje medidas para mitigar as causas socioeconómicas que deixam populações mais vulneráveis e que estão a influenciar o desenvolvimento da covid-19 em Portugal, atuando nos fatores de risco para conseguir conter e prevenir surtos.

Bloco quer mitigar causas socioeconómicas que influenciam pandemia
Notícias ao Minuto

13:57 - 28/05/20 por Lusa

Política Covid-19

No final da sétima reunião no Infarmed, que junta especialistas, políticos e parceiros sociais para analisar a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal, o deputado do BE Moisés Ferreira defendeu que se "as causas que estão identificadas são as socioeconómicas que tornam determinadas populações mais vulneráveis a estes surtos", são precisas medidas para mitigar essas causas socioeconómicas.

Para "atuar nos fatores de risco", o BE quer "garantir alojamento digno a quem neste momento não tem condições de habitação", uma regulamentação adicional sobre as empresas de trabalho temporário que "não podem fazer transportes de trabalhadores sem qualquer tipo de condição" e ainda o combate à precariedade e a aposta no "salário digno" para assegurar que "estas pessoas têm rendimentos que permitam viver com condições".

"Isto são as medidas que são essenciais tomar para conter surtos e para prevenir o aparecimento de novos surtos. São as medidas que é preciso tomar para mudar estes tais determinantes sociais e económicos que realmente estão a influenciar o desenvolvimento da epidemia em Portugal e agora na região de Lisboa e Vale do Tejo em particular", sustentou.

Segundo Moisés Ferreira, foram nesta reunião transmitidos "outros dados que mostram que o impacto da crise não é igual em toda a população".

"São os agregados com menos rendimentos que perderam mais rendimento durante estas semanas e aqueles que mais receiam perder rendimento durante o desenvolvimento da epidemia", apontou, referindo que continuam a ser estas famílias a dizer que têm "muita dificuldade no acesso aos equipamentos de proteção individual porque são caros".

Para o BE, é fundamental intervir nesta matéria e assim "garantir que as pessoas e os agregados familiares mais vulneráveis não ficam ainda mais vulneráveis".

"E por isso é preciso assegurar, não só formas de garantir o seu rendimento, mas também o desenho de medidas sociais para que estes agregados não percam rendimentos e não fiquem mais expostos ao vírus e à crise sanitária", defendeu.

Questionado sobre a situação de Lisboa e Vale do Tejo, Moisés Ferreira explicou que em termos estatísticos o número de novos casos "está estabilizado", mas "as outras regiões já começaram a baixar a curva epidémica e Lisboa e vale do Tejo ainda não começou essa descida", ou seja, "está no planalto", sendo o problema o facto de o número de novos casos não estar a baixar.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório