Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

PCP desafiou e Costa admitiu desejo de manter reforço de pessoal na saúde

O líder do PCP desafiou hoje o Governo a dizer se vai "passar aos quadros" o pessoal médico contratado temporariamente para responder à pandemia e ouviu o primeiro-ministro a admitiu que esse é o desejo do Governo.

PCP desafiou e Costa admitiu desejo de manter reforço de pessoal na saúde
Notícias ao Minuto

17:01 - 07/05/20 por Lusa

Política Covid-19

No debate quinzenal com o primeiro-ministro, no parlamento, Jerónimo de Sousa centrou as suas perguntas a António Costa nos problemas laborais e do combate ao surto epidémico.

E questionou se o "Governo vai ou não passar aos quadros quem entrou" no Serviço Nacional de Saúde (SNS) desde março para responder às necessidades de resposta à pandemia.

Na resposta, o chefe do executivo, que estimou em 2.450 o número de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, técnicos), não se comprometeu de forma taxativa, mas avançou com um desejo: "Aquilo que desejamos é manter estes recursos ao serviço do SNS."

O secretário-geral dos comunistas ficou sem resposta a mais um par de desafios feitos a António Costa, para, por exemplo, saber se o Governo "vai impedir os despedimentos", ou declarar nulas as decisões nesse sentido desde março, como o PCP vem defendendo nos últimos dois meses.

O primeiro-ministro optou por responder com argumentos já usados no debate quinzenal de há duas semanas, por exemplo, com o reforço de meios e de inspetores da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).

Jerónimo de Sousa recordou que o seu partido já apresentou um plano de emergência para a saúde, de reforço do SNS, para a "recuperação de listas de espera" sem que "seja necessário recorrer aos privados", mas este foi uma questão a que Costa também não deu resposta.

A última pergunta do líder dos comunistas foi sobre os transportes em empresas privadas e a falta de condições para se manter o distanciamento social, afirmando que "de pouco vale" as sanções com multas se há autocarros a circular "completamente cheios", questionando o que pretende o executivo fazer para garantir a segurança dos cidadãos.

António Costa prometeu agir para que os transportes cumpram a sua função "em condições de segurança" e acrescentou que, após a redução das tarifas, adotada pelo Governo antes da crise pandémica, é preciso não "perder a confiança que as pessoas ganharam nos transportes públicos".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório