Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2020
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 20º

Edição

PCP quer regresso imediato do Estado à TAP

O PCP defendeu hoje que o Estado volte a ter, "no imediato", o controlo da transportadora TAP e que, no futuro, "as necessidades de injeção de capital na empresa sejam transformadas em capital social pelo Estado".

PCP quer regresso imediato do Estado à TAP
Notícias ao Minuto

19:00 - 26/03/20 por Lusa

Política Coronavírus

Numa conferência de imprensa, Vasco Cardoso, membro da comissão política do PCP, afirmou que o país "não pode prescindir de ter a sua companhia aérea de bandeira" e, por isso, defendeu que, "a partir do controlo público que hoje já existe, de 50% da empresa, todas as necessidades de injeção de capital na empresa sejam transformadas em capital social pelo Estado".

Mais capital deveria também traduzir-se no "próprio controlo e gestão da empresa", por forma a colocar a TAP "não ao serviço dos interesses dos grupos económicos, mas sim ao serviço" do país, segundo o dirigente do PCP.

A pandemia de covid-19 terá efeitos na empresa, admitiu Vasco Cardoso, sendo de prever que nos próximos meses "não vai ter receitas por via da sua operação".

"Está provado que os grupos económicos privados que entraram no capital social da TAP não estão em condições de garantir o futuro da empresa. Se nada for feito, ela será entregue a um grupo económico estrangeiro e naturalmente significará a destruição da TAP", afirmou ainda o dirigente do PCP para justificar a proposta de o Estado voltar a ter controlo integral sobre a transportadora.

Para os comunistas, "o Estado português deve assumir a responsabilidade no imediato pela gestão pública da empresa", e exigir "da União Europeia que cheguem à TAP os apoios já anunciados para o sector da aviação civil".

Uma das exigências feitas pelo partido é que exista um "respeito integral dos direitos dos trabalhadores, assegurando os seus salários, sem despedimentos".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

O país encontra-se em estado de emergência até às 23:59 de 02 de abril devido à pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório