Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

CDS é "oposição irredutível" ao PS mas não se vai entrincheirar

O líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, afirmou hoje que o partido é "oposição irredutível" ao PS mas sublinhou que os democratas-cristãos não se vão entrincheirar nem entrar em jogos partidários quando estiver em causa o interesse nacional.

CDS é "oposição irredutível" ao PS mas não se vai entrincheirar
Notícias ao Minuto

16:16 - 22/02/20 por Lusa

Política CDS-PP

Em Amares, distrito de Braga, Rodrigues dos Santos sublinhou que os "parceiros tradicionais" do CDS são "os militantes sociais-democratas" mas que o partido não deixará de dialogar no quadro parlamentar "com todas as forças políticas".

"Se esperam que este CDS se entrincheire, que olhe para o jogo partidário e que esqueça o interesse nacional, podem acreditar que não estamos cá [para isso]", referiu.

Comentando a reunião que a nova direção do CDS manteve esta semana com o PS, Francisco Rodrigues dos Santos disse que os portugueses esperam que haja "bom senso e relações cordiais e institucionais" entre os partidos políticos.

"Privilegiamos em primeiro lugar o superior interesse nacional, mas não temos equívocos, o CDS é oposição irredutível ao Partido Socialista. Os nossos parceiros tradicionais, com quem já tivemos oportunidade de reunir, são os militantes sociais-democratas", vincou.

O presidente do CDS disse que o partido não oposição ao país, pelo que manterá diálogo com todos os outros partidos para conseguir fazer as propostas que apresentar no quadro parlamentar.

No entanto, apelou a que não haja "nenhuma confusão" sobre o espaço político que cada força ocupa.

"Somos um partido de direita, responsável, patriótica e não vamos defraudar as expectativas das nossas bases de apoio", garantiu.

Em Amares, o recém-eleito líder do CDS visitou o Festival do Sarrabulho e percorreu, durante mais de uma hora, todas as mesas, uma a uma, conversando com a população, tirando fotos e distribuindo beijos e abraços.

"Eu disse no congresso que o meu escritório seriam as ruas de Portugal e que a minha Assembleia seria o país", referiu, sublinhando que o CDS "está preocupado em crescer no país".

Afirmou que, com duas semanas e meia de nova liderança, o CDS já inverteu a "tendência de queda" e disse acreditar que o partido "vai recuperar o seu estatuto político" e o seu "peso na nossa democracia", dando voz "a um povo de direita que não quer agitadores do medo nem discursos de ódio".

Sobre se o Governo aguentará os quatro anos, Francisco Rodrigues dos Santos disse que não quer faz futurologia, adiantando apenas que "o CDS estará preparado para ter eleições quando elas tiverem lugar".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório