Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2020
Tempo
MIN 7º MÁX 19º

Edição

"O que se passou no Congresso do CDS foi uma revolução pacífica"

Joaquim Jorge faz uma análise do congresso do CDS que decorreu no passado fim de semana e da consequente eleição do novo líder do partido.

"O que se passou no Congresso do CDS foi uma revolução pacífica"

Joaquim Jorge, fundador do Matosinhos Independente, considerou que o 28.º Congresso Nacional do CDS representou "uma revolução pacífica de ideias, atitudes e comportamentos", que demonstrou que a "política hoje em dia nada tem que ver com outrora e não se compadece somente com imagens e figuras reverenciais ou tutelares". 

Num texto de opinião enviado ao Notícias ao Minuto esta segunda-feira, o fundador do antigo Clube dos Pensadores denotou que este encontrou partidário provou também que "as pessoas estão a perder o medo de mudar quer dentro dos partidos quer na aposta de verdadeiros independentes, e não, independentes zangados com os partidos". 

"O CDS vive um período aflitivo que pode levar à sua extinção ou tornar-se irrelevante. A lógica de transmissão de poder numa lógica de continuidade não funcionou", apontou. 

Neste sentido, para Joaquim Jorge, João Almeida - um dos cinco candidatos à liderança que foi porta-voz da direção de Assunção Cristas - "perdeu e com ele todos aqueles que se julgam notáveis, importantes e conhecidos".

Assim, a escolha do ex-líder da Juventude Popular para presidente do CDS é uma consequência deste ter estado "perto dos militantes, a escutá-los e a procurar intervenções que resolvam os seus problemas", argumentou o biólogo. 

"O novo líder do CDS mostrou que se é capaz de vencer de dentro para fora, em vez, de fora para dentro via televisão jornais e rádios", acrescentou. 

Joaquim Jorge sublinhou também que 'Chicão' - como é conhecido dentro do partido - "percebeu a evolução dos tempos e falou a linguagem que os militantes queriam ouvir", reforçando que "até há pouco tempo, era impensável" Francisco Rodrigues dos Santos ser dirigente.

"Este Congresso do CDS mostra que em política tudo é relativo, não há vencedores antecipados. A política é fascinante, não chega compreendê-la, mas simplesmente vivê-la e perceber para onde vai. O CDS apostou no futuro e não no passado", conclui o também fundador do movimento Matosinhos Independente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório