Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2019
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Parlamento: Extrema-direita recebida entre o silêncio e o ataque frontal

Os partidos com representação parlamentar receberam com um misto de ataque frontal e silêncio a entrada de uma força de extrema-direita no parlamento, o Chega.

Parlamento: Extrema-direita recebida entre o silêncio e o ataque frontal
Notícias ao Minuto

07:11 - 23/10/19 por Lusa

Política Parlamento

A agência Lusa questionou diretamente nove dos partidos com assento parlamentar (PS, PSD, BE, PCPCDS, PAN, CDSPEV, Iniciativa Liberal e Livre) sobre se a entrada da extrema-direita na Assembleia da República, com o deputado André Ventura, do Chega, após as legislativas de 06 de outubro, é um desafio ou uma ameaça.

As respostas dos partidos, dadas maioritariamente pelos grupos parlamentares, têm um tom diferenciado, entre o silêncio do PCPPSD e CDS e a crítica frontal do Bloco de Esquerda e do Livre.

Numa resposta por escrito à Lusa, o Bloco considerou o deputado do Chega, André Ventura, "uma fraude política".

"Ainda há dois anos apoiava o governo de Passos Coelho e da 'troika' e os cortes de salários e pensões. É um político que, mudando de discurso como quem muda de camisa, alia ao discurso xenófobo da extrema-direita um programa de entrega de bens públicos - como a saúde ou a segurança social - aos grupos financeiros", lê-se na resposta do BE.

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), que passou de um para quatro deputados, considerou que "visões nacionalistas, xenófobas, racistas, sexistashomofóbicas e transfóbicas colocam em causa os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e são atentatórias da dignidade da pessoa humana, pelo que todo e qualquer movimento extremista, independentemente do campo político de que provenha, não tem lugar num Estado de Direito democrático".

"Recusamos substituir-nos ao Tribunal Constitucional, que valida a criação de novos partidos, e ao eleitorado, cuja vontade temos por soberana, mas estaremos vigilantes e seremos intransigentes na defesa do nosso sistema democrático se e quando o mesmo for beliscado", concluiu.

Já o partido Iniciativa Liberal, que se estreou com um deputado, deu uma resposta em que se distancia de todas as "estratégias identitárias" e que usem "o ressentimento" de minorias contra maiorias e vice-versa.

"A Iniciativa Liberal distancia-se de todas as forças que usem estratégias identitárias para afirmação política, sejam os que usam o ressentimento de algumas minorias em relação à maioria como os que usam o ressentimento da maioria em relação a algumas minorias. A nossa política é de crescimento e não de ressentimento. Somos o partido que defende a mais pequena e mais importante minoria de todas: o indivíduo", escreveu, na resposta escrita à Lusa, o líder da IL, Carlos Guimarães Pinto.

Logo na noite das legislativas, a deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, afirmou que "não há lugar para extrema-direita no parlamento", salientando que o seu partido será "a esquerda anti-fascista e anti-racista".

Questionada pela Lusa, considerou, numa resposta por escrito à pergunta, que mais do que "um desafio ou ameaça" a entrada da extrema-direita no parlamento "é um alerta".

"O voto em partidos que hoje representam aquilo que de pior se viveu na Europa e no Portugal do século XX, aliado ao crescimento da abstenção, é um sintoma das políticas que afastaram os cidadãos das instituições", começou por responder.

"Portugal não estava imune à onda xenófoba a que assistíamos lá fora, faltava era o títere que representasse essa frustração, também consequente de anos de forte austeridade e desemprego. Esta política extremista que divide, exclui, e mata, deve ser combatida contundentemente por qualquer democrata e, em nosso ver, através de políticas progressistas, uma opinião pública esclarecida, e de uma reaproximação dos cidadãos à política", concluiu.

Três partidos - PS, PSD e CDS - não responderam à questão colocada pela Lusa e o PCP optou por não responder.

Já o Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) também não respondeu, mas remeteu para um comunicado da comissão executiva divulgado na semana passada, em que mostrou "grande preocupação perante um crescimento alarmante da vertente populista de candidaturas e campanhas eleitorais e a sua valorização pelos 'media'".

Pelo PS, na noite das legislativas, o líder do PS, António Costa, recusou entendimentos com o Chega.

"Nós não contamos com o Chega para nada", vincou Costa, numa resposta que foi aplaudida pelos apoiantes do partido, enquanto entoavam "fascismo nunca mais".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório