Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

PCP alerta para falta de pessoal não docente nas escolas em Lisboa

Os vereadores do PCP na Câmara de Lisboa alertaram hoje para a falta de pessoal não docentes nas escolas da cidade, considerando que a situação coloca em causa o bom funcionamento dos agrupamentos.

PCP alerta para falta de pessoal não docente nas escolas em Lisboa
Notícias ao Minuto

16:00 - 18/10/19 por Lusa

Política PCP

"Os vereadores do PCP alertam para as situações muito graves que a falta de pessoal está a originar, verificando-se já hoje situações de portões de acesso a escolas desguarnecidos, escolas a encerrar atividades às 13:00 (Escola Básica Infante Dom Henrique, no Parque das Nações), etc", lê-se numa nota dos autarcas comunistas.

No 'site' do Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa, uma nota assinada pela diretora, Cláudia Torres, sobre o "encerramento parcial da Escola Básica Infante D. Henrique", informa que, "por constrangimentos derivados da falta de pessoal não docente, a partir de 17 de outubro de 2019 e por tempo indeterminado", o horário letivo dos alunos do 1.º ciclo passará a ser entre as 09:00 e as 13:00, embora se continue a assegurar o serviço de refeitório.

Na escola sede deste agrupamento, a EB 2,3 Fernando Pessoa, na zona dos Olivais, desde o dia 02 de outubro "por falta de assistentes operacionais, os alunos têm de sair das instalações escolares até as 16:50".

Assim, lê-se no 'site' do agrupamento, "imediatamente após as atividades letivas, todos os alunos têm de abandonar o recinto escolar", podendo a situação "vir a agravar-se se o número de efetivos de assistentes operacionais vier a diminuir".

No comunicado, os vereadores do PCP da autarquia da capital recordam que a falta de funcionários não é uma situação nova e decorre da "inadequação de um rácio que não tem em conta as particularidades de cada infraestrutura de cada escola e a sua comunidade educativa" e, "ao contrário do que se fez querer passar, a municipalização não irá resolver estes problemas".

Pois, salientam, a transferência de competências na área da Educação do Estado para a autarquia "apenas transfere a responsabilidade do Ministério da Educação para o município de Lisboa, não resolvendo a questão de fundo, que é a necessidade de reforço com mais meios humanos que salvaguardem o funcionamento e segurança dos estabelecimentos de ensino".

"Esta situação está agravada com a existência de um vazio temporal entre a concretização ou não da transferência de competências na área da educação, uma vez que a Câmara Municipal de Lisboa, ao contrário do que está definido na lei, diz que ainda está a desenvolver acordos no âmbito da transferência. Situação que responsabiliza o Ministério por não resolver um problema já identificado e a Câmara Municipal por aceitar assumir competências, para as quais não tem reposta imediatas, contribuindo assim para o agravamento de uma situação caótica, que carece uma resposta urgente", referem os vereadores comunistas.

Segundo o PCP, a autarquia assumiu já para o ano letivo 2019/2020 a responsabilidade sobre o pessoal não docente desde o 1º ciclo até ao secundário.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório