Meteorologia

  • 14 NOVEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Os que mais ganham fora da política no PE. Em 36.º, um português

O britânico Partido do Brexit e a italiana Liga, eurocéticos, são os partidos representados no Parlamento Europeu cujos eurodeputados mais rendimentos obtêm de atividades externas, segundo uma análise da secção europeia da organização não-governamental Transparency International.

Os que mais ganham fora da política no PE. Em 36.º, um português
Notícias ao Minuto

09:32 - 07/10/19 por Lusa

Economia ONG

A ONG analisou as declarações de interesses que os eurodeputados têm de entregar quando iniciam o mandato e concluiu que quase um terço do total de deputados ao Parlamento Europeu (PE), de praticamente todos os grupos políticos, aufere rendimentos que acumula com o salário de eurodeputado.

Do total de 748 deputados (os 751 que compõem o PE menos os três eurodeputados catalães impedidos de tomar posse), 521 declararam atividades paralelas que, combinadas, representam um rendimento global de pelo menos 6,3 milhões a 16,2 milhões de euros, segundo o estudo, publicado no final de setembro no site Integrity Watch.

Entre eles, 48 eurodeputados declararam um rendimento anual com outras atividades superior ao salário bruto anual que recebem como eurodeputados (cerca de 105 mil euros).

Os eurodeputados podem exercer atividades remuneradas durante o mandato desde que as declarem, mas a ONG lamenta que o PE aceite uma descrição vaga dessas atividades - como "consultor independente", "advogado" ou "parceiro numa sociedade registada" -, na medida em que dificulta a avaliação de potenciais conflitos de interesses.

A Transparency assinala por outro lado que os rendimentos são declarados por escalões, o mais comum de 1.001 a 5.000 euros, o que cria grandes discrepâncias entre o rendimento mínimo e máximo declarado.

Entre os dez deputados que mais rendimentos obtêm de atividades extraparlamentares, entre 240.000 e 960.000 euros ao ano, cinco pertencem ao recém-criado Partido do Brexit, incluindo o líder, Nigel Farage.

Entre os 50 primeiros da lista, 12 são do Partido do Brexit e 5 da Liga.

O primeiro português surge na 36.ª posição na lista: Álvaro Amaro (PSD), com rendimentos externos de entre 24.000 e 120.000 anuais, auferidos enquanto presidente das assembleias-gerais de três empresas.

Seguem-se, em 72.º, 73.º e 74.º lugar, o social-democrata Paulo Rangel, o socialista Manuel Pizarro e o comunista João Ferreira, todos com rendimentos anuais entre 12.024Euro e 65.988Euro/ano, e o socialista Pedro Silva Pereira, em 93.º, com 12.012Euro a 60.000Euro.

Nuno Melo (CDS-PP), Francisco Guerreiro (PAN) e Carlos Zorrinho (PS) declararam entre 12Euro a 5.988Euro por ano e todos os restantes eurodeputados portugueses 0Euro.

Para a Transparency International, o sistema do PE em matéria de remunerações externas é "permissivo" e precisa de uma "reforma urgente", porque "assenta exclusivamente na vontade do presidente do Parlamento Europeu de fazer respeitar o código de conduta".

"A falta de poderes de investigação e de mecanismos de sanções credíveis leva a um sistema permissivo que corre o risco de não ser levado a sério", escreve a ONG.

Segundo os dados da organização, na última legislatura (2014-2019), foram reportadas 24 violações do código de conduta, mas nenhuma sanção foi aplicada.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório