Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2019
Tempo
17º
MIN 12º MÁX 18º

Edição

Clima: "Para além dos chavões e até oportunismo, o que fica?"

O PCP no Parlamento Europeu criticou hoje a "superficialidade e oportunismo" do discurso político sobre ações climáticas na União Europeia (UE), lamentando as políticas "insustentáveis" adotadas, que levaram à "destruição ambiental".

Clima: "Para além dos chavões e até oportunismo, o que fica?"
Notícias ao Minuto

10:15 - 17/09/19 por Lusa

Política João Ferreira

"A ação climática, como já antes o desenvolvimento sustentável, saltaram para o centro do discurso político, mas para além dos chavões, de alguma propaganda, de alguma superficialidade e até oportunismo com que, tantas vezes, estas questões são tratadas, o que fica? O que fica é, infelizmente, a insistência nas mesmas políticas que têm comprometido a possibilidade de um desenvolvimento assente numa relação sustentável entre o homem e a natureza", declarou o eurodeputado comunista João Ferreira.

Falando num debate sobre o clima na sessão plenária do Parlamento Europeu, que decorre até quinta-feira na cidade francesa de Estrasburgo, o eleito do PCP vincou que "alguns dos que fazem juras de empenho na ação climática, alguns dos que afirmam compromissos solenes com o desenvolvimento sustentável, são os mesmos que escancaram as portas às políticas que semeiam a destruição ambiental, económica e social".

Para o eurodeputado comunista, estão em causa medidas "assentes no livre comércio, políticas comerciais e agrícolas que promovem a deslocalização da produção, que destroem os sistemas produtivos mais débeis".

"Comecemos por aqui, por [criar] modelos de produção mais sustentáveis e paremos de tentar pintar de verde um sistema que é intrinsecamente insustentável", adiantou João Ferreira.

Outro eurodeputado português a intervir neste debate de preparação da cimeira de ação climática organizada pelas Nações Unidas - que se vai realizar na próxima semana em Nova Iorque, nos Estados Unidos -, foi o socialista Carlos Zorrinho.

"As alterações climáticas são o maior desafio com que a humanidade alguma vez foi confrontada. Fazemos parte de um desafio de mitigação, adaptação e proteção da biodiversidade", notou o eleito do PS.

Carlos Zorrinho assinalou que a cimeira organizada pelo secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, tem então o objetivo de "encorajar os chefes de Estado a aumentar a sua contribuição para a redução de emissões".

"Na UE fizemo-lo desde a primeira hora: somos a economia mundial que mais ambição tem demonstrado no combate às alterações climáticas, uma ambição reforçada pela nova comissão", considerou o eurodeputado socialista.

Ainda assim, Carlos Zorrinho admitiu que a UE pode agora "ir mais longe", desde logo sendo "rápida a concretizar" os compromissos para atingir a meta da descarbonização.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório