Meteorologia

  • 18 JULHO 2019
Tempo
26º
MIN 23º MÁX 30º

Edição

PAN defende que viabilidade do SNS requer aposta na prevenção da doença

O deputado único do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) defendeu hoje que a viabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) depende da "promoção da saúde" e da "prevenção da doença", o que considerou possível apesar de "dar trabalho".

PAN defende que viabilidade do SNS requer aposta na prevenção da doença

Falando durante o debate sobre o estado da nação, que decorre na Assembleia da República, em Lisboa, André Silva considerou que "a viabilidade do SNS só se consegue através de uma aposta na promoção da saúde e na prevenção da doença".

"Os recursos finitos, técnicos, humanos e financeiros não conseguem responder às necessidades e aos custos crescentes, tornando o SNS cada vez mais insustentável", acrescentou, justificando que "não se debate o fundamental, a prevenção" e que "a nação não tem apostado em políticas de longo prazo direcionadas à saúde e bem-estar das pessoas".

Para isso, na ótica do PAN, "o debate sobre a saúde tem que ganhar outra centralidade, o de como evitar que as pessoas cheguem doentes aos hospitais, ou seja, conhecer os padrões epidemiológicos da população, os fatores determinantes de saúde, e adotar políticas públicas de médio e longo prazo".

"Sim, dá trabalho, mas é possível e inevitável", defendeu.

Apesar de reconhecer que "ao longo das últimas décadas se construíram mais hospitais, deu-se um maior reforço dos orçamentos do SNS, a redução do preço dos medicamentos" ou a "expansão da rede de cuidados integrados continuados", o deputado destacou que estas são medidas "importantes, sem dúvida", mas "não estão a produzir as mudanças necessárias".

"O SNS está cada vez mais pressionado, tudo porque em Portugal não se debate a promoção da saúde, debate-se a reação à doença", notou.

Além da saúde, o PAN dedicou a sua intervenção também ao ambiente e à tauromaquia, tendo criticado o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, por ter marcado presença "há uns dias numa corrida de touros, na companhia de quem mais ama: o presidente da CAP" (Confederação dos Agricultores de Portugal).

"Ao estado a que chegámos, o mesmo homem a quem a nação confia a tutela da proteção e bem-estar dos animais é o mesmo que se diverte com o seu massacre e protege os seus agressores", criticou André Silva.

Já quanto aos recursos hídricos, o deputado do PAN classificou a sua gestão como "incompreensível", sobretudo "num contexto de crise climática que tenderão a agudizar os problemas".

Por isso, defendeu, "é sensato e inevitável" a implementação de "uma política eficaz para melhorar as condições neste domínio, exigindo a compatibilização entre o uso da água e a política agrícola", uma vez que a produção de alimentos "é totalmente insustentável em virtude do uso irresponsável de água em algumas culturas e a aplicação massiva de pesticidas e fertilizantes que contaminam as massas de água superficiais e subterrâneas, aumentam a taxa de perda de biodiversidade e provocam a falência dos solos".

André Silva apontou ainda que "os instrumentos adotados na gestão de resíduos não têm sido os mais adequados" e que "o problema mais inquietante reside no modelo económico e social de produção e constante estímulo ao consumo, para o qual o governo e a narrativa dos partidos têm dado sinais em sentido contrário".

Por isso, sustentou, "devem ser redesenhadas políticas fiscais de dissuasão à deposição em aterro, de alargamento de responsabilidade ambiental aos produtores, ou medidas de redução do consumo de plásticos de utilização única".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório