Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 15º

Edição

Cristas quer baixar IRC para 12,5% até 2025 e crescimento de 4% a 5%

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje a redução da taxa de IRC em Portugal para 12,5% no prazo de seis anos, no debate sobre o estado da nação, na Assembleia da República, em Lisboa.

Cristas quer baixar IRC para 12,5% até 2025 e crescimento de 4% a 5%

"Se há quem olhe com desconfiança para países como a Irlanda, com uma taxa de IRC de 12,5%, no CDS queremos ter a mesma taxa de 12,5% da Irlanda dentro dos próximos seis anos. E queremos ver o país a crescer 4% e 5% ao ano como a Irlanda", disse Assunção Cristas no debate sobre o estado da nação, na Assembleia da República, em Lisboa.

A líder centrista tem defendido a baixa dos impostos sobre as empresas, mas não tinha ainda quantificado. Em Portugal, as empresas pagam uma taxa nominal de IRC de 21%.

Para quinta-feira à tarde, o CDS já convocou uma conferência de imprensa para apresentar mais propostas do programa eleitoral e que passam pela também por uma baixa do IRS.

A exemplo do que acontece com a Irlanda, os centristas querem Portugal "a reter e a atrair talentos, a desenvolver áreas novas da economia, a querer liderar no mundo digital".

Daí, justificou, a proposta eleitoral, já avançada, para reformar a formação profissional em Portugal, adaptando-a às necessidades da economia portuguesa, das empresas exportadoras e digitais.

Na sua intervenção, Assunção Cristas recordou que o CDS já tinha, durante esta legislatura, proposto a baixa da taxa do IRC, que, se tivesse sido aprovada, não seria de 21%, mas sim 17%, sem "acréscimo de tributações autónomas".

A líder centrista falou ainda da sua "ambição para Portugal", que passa por tornar o país não só o melhor "destino turístico", mas sim "o melhor destino para estudar, trabalhar, investir ou viver a reforma".

"Queremos ser o melhor destino para as nossas vidas", afirmou, a terminar.

A começar o seu discurso, Cristas assinalou o trabalho da bancada do CDS de "oposição firme e construtiva" e fez uma crítica indireta ao PSD.

"Fomos firmes na oposição -- em muitos casos com o encargo quase exclusivo da oposição, que as duas moções de censura ilustram -- e sempre determinados na construção", disse.

Apesar de muitas das suas ideias terem sido chumbadas, a presidente do CDS afirmou que o partido tentou "criar uma semente fecunda para o futuro" de propostas, como as de apoio à natalidade.

E lembrou os alertas que deixou, ao longo anos, e repetiu hoje, sobre "a pouca atenção dada" à dívida pública, que "continuou a subir em termos nominais" e o "fraco crescimento" económico do país.

Como tem feito em quase todos os debates quinzenais com o primeiro-ministro, Assunção Cristas voltou a criticar o estado da saúde em Portugal e a degradação dos serviços públicos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório