Meteorologia

  • 22 NOVEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Jerónimo diz que PCP não calará crítica ao PS

O secretário-geral do PCP disse hoje que o seu partido não calará a crítica ao PS e acusou os socialistas de andarem "de braço dado com o PSD e o CDS", naquilo que é "estruturalmente uma política de direita".

Jerónimo diz que PCP não calará crítica ao PS

"Estas questões do direito do trabalho são uma zona de fronteira entre a esquerda e a direita e o PS encosta-se à direita para aprovar aquilo que vai prejudicar os trabalhadores", disse Jerónimo de Sousa, durante um convívio regional do PCP em Estarreja, no distrito de Aveiro.

Na sua intervenção, o secretário-geral do PCP apelou ao reforço da CDU nas próximas eleições legislativas, afirmando que os portugueses vão decidir se querem prosseguir o caminho de reposição de rendimentos e direitos ou andar para trás.

"Estas eleições de 6 de outubro para a Assembleia da República colocam uma encruzilhada, uma escolha, que é saber se este caminho de reposição de rendimentos e direitos é para continuar, ou se abrimos caminho ao retrocesso, andar para trás, como o PS nalgumas matérias pretende", afirmou.

Jerónimo de Sousa valorizou ainda o trabalho conseguido pela CDU na presente legislatura, sublinhando que os comunistas não se limitaram a "encetar um processo de uma solução política", tendo dado "centralidade" à Assembleia da República.

"Sempre que há governos de maioria absoluta, a Assembleia da República transforma-se mais ou menos num cartório notarial de assinar de cruz tudo o que vem do Governo. Nestas foi diferente: a Assembleia da República é que assumiu essa centralidade e encetou um caminho de reposição de rendimentos e direitos", disse.

O encontro serviu ainda para apresentar publicamente o cabeça de lista da CDU pelo círculo de Aveiro, que volta a ser Miguel Viegas.

O candidato lembrou que a CDU está "muito perto" de eleger o primeiro deputado por Aveiro e apelou à mobilização dos militantes e simpatizantes para tentar ganhar "os escassos votos que faltam".

"Há quatro anos, a CDU ficou rigorosamente a 1.684 votos de eleger um deputado pelo distrito de Aveiro", disse Miguel Viegas, considerando que se trata de "uma migalha", tendo em conta que o distrito tem 640 mil eleitores.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório