Meteorologia

  • 23 JULHO 2019
Tempo
22º
MIN 19º MÁX 25º

Edição

"A culpa é do povo porque o Governo é socialista e tem sempre razão"

As declarações da secretária de Estado Ana Pedroso a propósito da falta de capacidade dos serviços de atendimento do Cartão de Cidadão continuam a gerar polémica. Mesquita Nunes, Leitão Amaro e Abreu Amorim já reagiram nas redes sociais.

"A culpa é do povo porque o Governo é socialista e tem sempre razão"
Notícias ao Minuto

09:30 - 25/06/19 por Natacha Nunes Costa 

Política Cartão de Cidadão

Esta segunda-feira, foi revelada a resposta da secretária de Estado da Justiça à pergunta de dois deputados de Os Verdes, sobre os atrasos no pedido e renovação do Cartão de Cidadão. De acordo com Ana Pedroso, estes atrasos devem-se ao facto de os cidadãos se dirigirem “aos mesmos serviços, à mesma hora – antes da abertura do atendimento ao público”.

Ao longo das últimas horas, as declarações da secretária de Estado geraram críticas, com direito a resposta por parte do  Ministério da Justiça, que garantiu que “o Governo não culpa os cidadãos e assume as suas responsabilidades”.

Esclarecimento este que não convenceu muitos políticos. António Leitão Amaro é um dos exemplos. Nas redes sociais, o parlamentar social-democrata apontou o dedo ao Governo e ao Partido Socialista.

“O ideal de sociedade deste Partido Socialista: um país sem cidadãos, utilizadores de serviços públicos, mas cheio de contribuintes a pagar impostos e dirigentes da família socialista ao controlo da monstro-máquina fiscal”, escreveu no Facebook o deputado do PSD.

Já Carlos Abreu Amorim, do mesmo grupo parlamentar, preferiu ousar da ironia para criticar as declarações da secretária de Estado da Justiça.

“A culpa é do povo porque o Governo é socialista e tem sempre razão! Mas alguém tem dúvidas?!”, escreveu.

Do lado do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes teabém reagiu a esta polémica nas redes sociais.

“E estamos nisto. A culpa é do cidadão. O Estado funciona maravilhosamente, tudo vai maravilhosamente, a burocracia vai maravilhosamente, tudo maravilhosamente. Se não fosse o cidadão, o país ia maravilhosamente”, ironizou o ex-deputado e antigo vice-presidente dos centristas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório