Meteorologia

  • 20 JULHO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 21º

Edição

Cristas diz que se começa a viver clima de "alguma asfixia democrática"

A presidente do CDS-PP disse hoje não compreender a intenção do Ministério da Saúde ao determinar uma sindicância à Ordem dos Enfermeiros, mas considerou que se começa a viver "um clima de alguma asfixia democrática" em Portugal.

Cristas diz que se começa a viver clima de "alguma asfixia democrática"
Notícias ao Minuto

15:35 - 30/04/19 por Lusa

Política CDS

"Vejo [a sindicância à Ordem dos Enfermeiros] com grande preocupação porque não percebo onde é que o Ministério da Saúde quer chegar. E acho que se começa a viver um clima de alguma asfixia democrática em Portugal", disse a líder centrista, em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao Comando Distrital de Setúbal da PSP.

A sindicância à Ordem dos Enfermeiros determinada pela ministra da Saúde, Marta Temido, teve início na segunda-feira ao início da tarde.

Já hoje, a bastonária da Ordem dos enfermeiros anunciou que vai ser pedido o afastamento de todos os inspetores da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) que estão a realizar a sindicância determinada pela ministra da Saúde.

A Ordem dos Enfermeiros considera que os inspetores escolhidos para realizar a sindicância não têm condições, nomeadamente de isenção, para assumir o processo.

Paralelamente, a Ordem já anunciou que vai agir judicialmente contra a sindicância determinada pela ministra da Saúde, considerando que o que esta averiguação pretende é condenar a ordem por delito de opinião.

Sobre a visita que efetuou ao Comando Distrital de Setúbal da PSP, Assunção Cristas adiantou que as preocupações são as mesmas que já tinha ouvido no Comando Nacional e nos Comandos Distritais de Lisboa e do Porto, principalmente a "falta de meios humanos".

"Ouvimos os Governo fazer anúncios de entrada de agentes para as forças de segurança, mas a verdade é que estão muito aquém das necessidades", disse, acrescentando que os novos agentes que estão a entrar para as forças de segurança não chegam sequer para compensar a saída daqueles que atingem a idade de reforma.

"E os relatos que ouvimos, quer aqui, quer no Comando Nacional e nos Comandos Distritais de Lisboa e do Porto, coincidem todos: há cada vez menos agentes, cada vez menos polícias, o que significa menos patrulhamento, menos ação preventiva, mais dificuldades até, muitas vezes, em serem reativos, em chegarem aos locais das ocorrências quando são chamados para isso", salientou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório