Meteorologia

  • 21 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

Proposta do PS garante que "todos os portugueses tenham acesso ao SNS"

A secretária-geral adjunta do PS disse hoje que a proposta socialista de nova Lei de Bases da Saúde "tem em conta" a defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e "a realidade do país", que abrange os setores social e privado.

Proposta do PS garante que "todos os portugueses tenham acesso ao SNS"

"A proposta que está em cima da mesa do PS é uma proposta que garanta que todos os portugueses tenham acesso ao SNS, que tem em conta a realidade do país, e a realidade do país é desde o setor social até ao setor privado, e em permanência a defesa do SNS", disse Ana Catarina Mendes aos jornalistas, em Beja, durante uma visita à feira Ovibeja.

Segundo Ana Catarina Mendes, "mais do que estarmos a discutir" se o SNS "deve ser complementar ou se deve ser público", o que "interessa aos portugueses" é "dirigirem-se aos centros de saúde, aos hospitais e terem os cuidados que merecem ter".

"O PS está onde sempre esteve com a Lei de Bases da Saúde que apresentou" e que, "no essencial" quer "dar resposta" às "necessidades de uma população cada vez mais envelhecida, que requer cada vez mais cuidados", frisou.

Atualmente, disse, "os portugueses precisam cada vez mais de cuidados continuados ou paliativos e precisam de ter segurança no seu SNS, foi assim com António Arnaut, foi assim com todos os ministros da Saúde do PS, será assim também com este Governo".

Questionada pelos jornalistas, Ana Catarina Mendes disse que o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, "prestou um enorme serviço à democracia" ao apelar aos partidos, na quinta-feira, no seu discurso na sessão solene dos 45 anos do 25 de Abril, para "que sejam capazes de travar um debate franco e leal, baseado em alternativas políticas claras" e não fazerem uma política de casos, que "é a arma dos fracos, daqueles que não têm ideias, nem alternativas".

"O presidente da Assembleia da República prestou um enorme serviço à democracia", porque "a democracia faz-se na discussão de ideias, de projetos políticos, não se constrói, antes pelo contrário, é atacada, quando é alvo de ataques de casos por casos".

A política de casos "não traz nenhuma dignidade ao exercício da democracia e, por isso mesmo, não me compete estar a comentar o discurso, mas compete-me dizer: Sim, estou de acordo com o presidente da Assembleia da República, a política não se faz com casos, faz-se com agenda política", rematou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório