Meteorologia

  • 21 JULHO 2019
Tempo
26º
MIN 22º MÁX 31º

Edição

Parlamento manifesta pesar pelas vítimas do genocídio arménio em 1915

A Assembleia da República aprovou hoje um voto de pesar apresentado por PSD, PS, CDS-PP, PAN e pelo deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira em evocação das vítimas do genocídio arménio de 1915.

Parlamento manifesta pesar pelas vítimas do genocídio arménio em 1915

O voto contou com a abstenção de quatro deputados da bancada do PSD - José Cesário, Pedro Roque, Nilza Sena e Álvaro Baptista - , merecendo o voto favorável de todas as bancadas.

Além do anúncio de várias declarações de voto, o deputado socialista Sérgio Sousa Pinto pediu a palavra para salientar que este voto não foi objeto de avaliação prévia por parte da Comissão de Negócios Estrangeiros, a que preside.

"A Assembleia da República, reunida em plenário, exprime o seu pesar pelas vítimas do genocídio arménio de 1915, preservando assim a memória como elemento essencial à reconciliação entre os Povos e à defesa dos valores fundamentais da Humanidade", refere o texto do voto, que tem como primeira subscritora a deputada do PSD Rubina Berardo.

Segundo o texto, é em 24 de abril que se assinala "internacionalmente o início dos massacres perpetrados contra a população arménia, uma vez que foi nessa data em 1915 que as autoridades otomanas prenderam e executaram 250 intelectuais e líderes comunitários arménios em Constantinopla, sob ordens do governo dos 'Jovens Turcos'".

"Nos anos durante e após a 1ª Guerra Mundial estimam-se que entre 800 mil e 1,5 milhões de pessoas foram mortas como resultado do genocídio", refere o voto, que acrescenta que "o extermínio sistemático pelas autoridades otomanas dirigido à minoria arménia no seu território é considerado pela comunidade internacional de historiadores como o primeiro genocídio do século XX".

Segundo o texto do voto, os principais organizadores do genocídio foram condenados à morte ou à prisão pelos seus crimes em tribunais militares otomanos (1919-2020), "contudo as sentenças destes tribunais nunca foram aplicadas".

"Esta evocação contém uma lição para o nosso tempo, pois perante o nível atual de nacionalismos, de xenofobias e de intolerâncias a nível mundial, é fundamental lembrar os abismos do passado. É também através da cultura da memória que a Assembleia da República reitera o seu compromisso com a defesa dos direitos humanos e que sublinha a importância de fortalecer o diálogo entre os povos, entre as religiões, entre as culturas e entre as civilizações", referem os autores do texto.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório