Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 15º

Edição

Economia portuguesa "não vai prosperar" nos próximos quatro anos

O partido Aliança considerou hoje que a economia portuguesa "não sairá da cepa torta" e que Portugal "não vai prosperar" nos próximos quatro anos, acusando o Governo de governar para Bruxelas, ao comentar o Programa de Estabilidade.

Economia portuguesa "não vai prosperar" nos próximos quatro anos
Notícias ao Minuto

23:57 - 16/04/19 por Lusa

Política Aliança

Num comunicado enviado às redações, a Comissão Executiva do partido aponta que "retira uma certeza do Programa de Estabilidade 2018-2022", que "o desempenho da economia portuguesa não sairá da cepa torta e o país não vai prosperar".

"Se a frente de esquerda continuar a governar-nos, não temos dúvidas sobre o que será Portugal nos próximos quatro anos", lê-se no documento, elencando que "o crescimento será insuficiente", o que não permitirá ao país "sair da cauda da zona euro".

A Aliança refere também que, "nos últimos quatro anos, a frente de esquerda governou para Bruxelas e para os que julga serem os seus grupos clientelares eleitorais", agravou "as desigualdades entre os trabalhadores públicos e privados e, sobretudo, faliu, através do garrote das cativações, os serviços públicos essenciais, de que o mais grave exemplo é o setor da saúde".

O Governo apresentou na segunda-feira o Programa de Estabilidade para 2019-2023, no qual mantém a meta de défice de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2019 e prevê um excedente para 2020 (0,3% do PIB).

No documento, o executivo reviu em baixa o crescimento da economia para 2019, apontando agora para uma expansão de 1,9%, um decréscimo face aos 2,2% que o Governo antecipava no Orçamento do Estado, mas que supera as previsões dos restantes organismos.

Na ótica da Aliança, o executivo, liderado pelo socialista António Costa, "não soube aproveitar as tréguas da austeridade e da baixa das taxas de juro, para promover um grande programa de incentivo ao investimento", e, ao invés, "sentou-se à sombra e contentou-se com as receitas do turismo".

"Este Programa de Estabilidade mostra bem a visão curta do Governo para o país, uma visão limitada e submissa", critica o partido liderado pelo antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

Para a Aliança, "com este programa, o futuro de Portugal não tem por base nem estratégia nem visão, muito menos um plano com métricas suscetíveis de escrutínio, salvo, como sempre, para o défice orçamental".

Assim, alegou aquela força política, "o futuro de Portugal, a economia portuguesa, ficarão à mercê das ocorrências, do desempenho e das contingências da economia europeia e mundial", considerando que esta é "uma forma de governar passiva e acomodada, omissa em ambição".

"Portugal tem de crescer mais, não basta acompanhar o crescimento médio que se espera para a zona euro", salienta a nota.

Indicando que "Portugal precisa de mais receita fiscal virtuosa, por via do crescimento e não à custa do rendimento disponível das famílias", a Comissão Executiva do partido salienta também que "a carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho atingiu uma dimensão que contribui para o flagelo social que hoje existe no universo dos portugueses que trabalham".

"Cabe-nos agir e não só reagir. A carga fiscal sobre as empresas tem de baixar, tem de haver um forte apoio ao investimento privado e sobretudo estabilidade fiscal", remata.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório