Meteorologia

  • 22 JULHO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

PSD quer portagens e comboios a custar metade do preço no Interior

O PSD defendeu hoje a redução para metade das portagens nas autoestradas do interior e dos preços dos bilhetes dos comboios regionais e intercidades que não estejam abrangidos pelo Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART).

PSD quer portagens e comboios a custar metade do preço no Interior
Notícias ao Minuto

13:05 - 11/04/19 por Lusa

Política Carlos Peixoto

Em conferência de imprensa na Assembleia da República, o PSD apresentou um projeto de resolução -uma recomendação ao Governo, que não tem força de lei - que visa "compensar" os portugueses que vivem fora das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto e que receberam a grande maioria das verbas do PART como apoio aos descontos nos passes sociais.

"Entendemos que é hora de o Governo compensar quem tem sido mal tratado, é hora e tempo de passar das palavras vãs às boas ações concretas e eficazes, é o momento de diminuir e suavizar desigualdades", defendeu o vice-presidente da bancada Carlos Peixoto, eleito pela Guarda, que esteve acompanhado por deputados de Portalegre, Évora e Castelo Branco.

Num projeto assinado também por deputados de Bragança e Beja, o PSD recomenda ao Governo medidas destinadas à mobilidade das populações que "residam, trabalhem ou se desloquem fora das duas Áreas Metropolitanas do país", Lisboa e Porto, propondo três medidas.

"Em primeiro lugar, que o Governo compense territórios onde não há transportes públicos dignos desse nome com a redução de 50% nas ex-SCUT (autoestradas sem custos para o utilizador) e outras em idênticas circunstâncias", defendeu Peixoto.

Como o objetivo do programa PART é também incentivar a descarbonização, os sociais-democratas aumentam o desconto para 75% no caso dos veículos elétricos.

Questionado se o desconto seria apenas para residentes, Carlos Peixoto explicou que não, até para incentivar os "fluxos turísticos" para estas zonas do país, e considerou que tal não contraria o princípio de utilizador-pagador -- sempre defendido pelo PSD -- por se tratarem de reduções e não eliminações de portagens.

A segunda medida proposta pelo PSD seria a redução de 50% no preço dos bilhetes dos comboios regionais e intercidades que não estejam abrangidos pelo PART.

Os sociais-democratas recomendam ainda ao Governo que promova, divulgue e incentive e aplicação do regime do "transporte a pedido ou flexível", sobretudo nas regiões mais desfavorecidas e sem cobertura de rede de transportes públicos, criado em 2016, mas que o PSD entende ser "praticamente desconhecido".

O PSD explicou que optou por uma resolução (em vez de um projeto-lei) por a fixação de portagens ser uma competência exclusiva do Governo, e não se comprometeu com quanto custariam estas medidas.

"O custo da redução das portagens não está totalmente medido, mas há estudos de 2015 que previam que uma redução de 30 a 35% era neutral do ponto de vista orçamental, porque a redução dos preços era simultaneamente acompanhada de incremento do das autoestradas", disse.

Quanto à redução do preço dos comboios, para o vice-presidente da bancada do PSD, "deve ser o Governo com a capacidade que tem, com os elementos que tem, a avaliar o custo da medida e a possibilidade de a implementar" no resto do país, depois de o ter feito nas Áreas Metropolitanas.

Carlos Peixoto começou por afirmou que a redução dos custos dos passes sociais para as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto "é claramente uma medida positiva".

"Sendo positiva, não é territorialmente justa nem verdadeiramente nacional (...) As zonas dos territórios de baixa densidade são os parentes pobres, os descamisados e os desvalidos da iniciativa", afirmou, apontando que nestas regiões, mesmo que haja descontos mínimos, "não há transportes para usufruir".

Apontando que 70,19% das verbas do PART vão para a Área Metropolitana de Lisboa, 15,27% para a do Porto, Carlos Peixoto salientou que o resto do país "todo somado" fica com apenas 14,53%.

"Ou seja, 4,5 milhões de portugueses recebem cinco vezes mais do que 5,5 milhões de portugueses", apontou.

Peixoto salientou ainda que "para o país não metropolitano mais afastado do litoral", o transporte individual é quase a única opção, que tem sido penalizada pelo aumento do preço do combustível.

"Os territórios de baixa densidade devem ser compensados do ponto de vista da mobilidade", defendeu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório