Meteorologia

  • 19 MAIO 2019
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

Edição

"Se o PS ganhar, a carga fiscal não desce, mas se o PSD ganhar, não sobe"

O presidente do PSD, Rui Rio, garantiu esta segunda-feira que os impostos não vão subir caso aquele partido ganhe as eleições legislativas, defendendo que tudo "fará" para que a carga fiscal possa descer.

"Se o PS ganhar, a carga fiscal não desce, mas se o PSD ganhar, não sobe"
Notícias ao Minuto

18:55 - 01/04/19 por Lusa

Política Rui Rio

"Se o PSD ganhar, a carga fiscal não sobe e faremos todo o esforço para descer. Só podemos descer na medida do possível. Mas, a carga fiscal, que atingiu um patamar absolutamente brutal em Portugal, com o PSD não sobe", assegurou Rui Rio, em declarações aos jornalistas após receber a Associação dos Profissionais da Inspeção Tributária, na sede distrital do PSD/Porto.

Rui Rio comentava, desta forma, uma entrevista em que o primeiro-ministro, António Costa, "disse não estar no seu horizonte baixar a carga fiscal".

"Existe nesta área uma "diferença muito grande relativamente ao PSD", observou o líder social-democrata, lembrando que "o ministro Vitor Gaspar [do PSD] anunciou uma vez que ia haver um brutal aumento de impostos".

Mas, acrescentou, "em cima desse" aumento, "já o PS fez outro enorme aumento" e "nunca os portugueses pagaram tantos impostos".

O líder social-democrata disse, contudo, ter o dever de "saudar" o primeiro-ministro por "dizer ao que vem", quando afirma que não pretende baixar impostos na próxima legislatura, caso seja eleito.

"O que é certo é que os portugueses nunca pagaram tantos impostos", insistiu Rui Rio, sublinhando que "a carga fiscal atingiu um patamar absolutamente brutal em Portugal".

"Desde o tempo de D. Afonso Henriques que nunca se viu uma coisa assim", frisou.

O líder social-democrata admitiu ainda que, "sem demagogia", não pode assegurar que o partido consiga baixar os impostos caso ganhe as eleições, embora tudo vá fazer para isso.

Passe único criou portugueses de "primeira, segunda e terceira"

Sobre o designado passe único dos transportes públicos, o líder do PSD comentou que a medida criou portugueses de "primeira, segunda e terceira", considerando ser necessário corrigir esta situação.

"Se há verba, acho que a medida [Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos - PART], que entrou esta segunda-feira em vigor] faz sentido, como é logico. Só que os portugueses têm de ser tratados todos por igual. Independentemente de todo o marketing, neste momento há portugueses de primeira, segunda e terceira", observou Rui Rio, em declarações aos jornalistas no Porto.

Para o social-democrata, "do ponto de vista territorial, a medida tem de ser ajustada para que portugueses sejam todos iguais".

"Tem de corrigir, para tratar o Porto como Lisboa e o resto do país como o Porto e Lisboa", afirmou.

Segundo Rio, os portugueses "de primeira" são os da Área Metropolitana de Lisboa, a quem "o Governo dá um subsídio de 26,7 euros por cada habitante para baixar o passe social".

"Os de segunda são os do Porto, onde o passe único, o Andante, existe há mais de 12 anos e é subsidiado em 8,4 euros por habitante", indicou.

Para Rio, "os portugueses de terceira são todos os que não estão nem em Lisboa nem no Porto" e que "recebem menos de dois euros por habitante".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório