Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Autarca de Braga criticado por caso de pulseiras eletrónicas

O Bloco de Esquerda (BE) de Braga repudiou hoje as declarações do presidente da Câmara local, Ricardo Rio, sobre a colocação de pulseiras eletrónicas aos funcionários municipais para controlar a sua assiduidade.

Autarca de Braga criticado por caso de pulseiras eletrónicas
Notícias ao Minuto

15:08 - 13/03/19 por Lusa

Política Bloco de Esquerda

Em comunicado, o BE considera que as estruturas locais e nacionais do PSD "devem demarcar-se" daquelas declarações, "sob pena de o seu autarca ficar tristemente conhecido como o Neto de Moura dos funcionários autárquicos ou o André Ventura do Minho".

O caso registou-se na última reunião do executivo, quando o vereador da CDU, Carlos Almeida, interpelou Ricardo Rio sobre a necessidade da colocação dos torniquetes no edifício do Pópulo, lembrando que os trabalhadores já têm controlo de assiduidade e são obrigados a "picar o ponto".

Na resposta, e segundo um registo áudio divulgado pelo jornal Diário do Minho, Rio disse que há funcionários que "não são decididamente zelosos" em termos de assiduidade e que essas situações são de difícil escrutínio, pelo que foi necessário adotar "medidas extremas", traduzidas na colocação de torniquetes.

"Não podemos pôr pulseiras eletrónicas individuais em cada um dos colaboradores", acrescentou.

O vereador Carlos Almeida perguntou se, caso pudesse, punha as pulseiras aos colaboradores e Rio respondeu: "Em alguns, se calhar, punha".

O BE diz que "mais uma vez ficou provado" que o presidente da Câmara não tem "o mínimo de sentido institucional" e recorda que "a cruzada de Ricardo Rio contra os funcionários da autarquia não é nova, antes ficou bem patente na recusa da implementação das 35 horas ou na culpabilização das varredoras pelo mau estado de limpeza das ruas da cidade".

Para o BE, Rio deixa assim "bem claro que o seu sonho neoliberal de defesa do Estado mínimo não tem limites, mesmo que se vire contra si próprio e contra a gestão que lidera".

"Sabemos bem que, se Ricardo Rio pudesse, mandava embora grande parte dos funcionários para a rua e contratualizava com terceiros todos os serviços possíveis, uma vez que a sua noção de serviço público é nula, assim como nula é a noção de trabalho com direitos, tal como ficou uma vez mais demonstrada nesta infeliz demonstração do seu preconceito de classe", refere ainda o comunicado bloquista.

A Lusa tentou ouvir Ricardo Rio, que se escusou a tecer qualquer comentário sobre o assunto.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório