Meteorologia

  • 26 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

20 anos de BE. "Fizemos inimigos poderosos numa elite financeira"

Ao longo dos 20 anos, o BE tem como aliados quem luta pelas emancipações e pelo progresso, enquanto coleciona "inimigos poderosos" na elite financeira, o que para a coordenadora bloquista, Catarina Martins, é "o melhor" do percurso construído.

20 anos de BE. "Fizemos inimigos poderosos numa elite financeira"
Notícias ao Minuto

06:43 - 28/02/19 por Lusa

Política Catarina Martins

Passam hoje duas décadas desde a assembleia de fundação do Bloco de Esquerda (BE), mas a data só vai ser assinalada pelo partido em 09 de março, com um comício comemorativo no Mercado de Culturas, em Lisboa, juntando os fundadores Francisco Louçã, Luís Fazenda e Fernando Rosas, Catarina Martins e a eurodeputada Marisa Matias.

O BE nasceu em 1999, mas só volvida mais de uma dezena de anos, em 2010, é que a atual líder do partido se tornou aderente, já depois de ter sido eleita, pela primeira vez, deputada independente nas legislativas de 2009.

"Tenho dito sobre estes 20 anos - e acho que isso é o melhor que nós temos e que fomos construindo - que, neste caminho, o Bloco de Esquerda tem como aliados as pessoas que fazem as lutas pelas emancipações, pelo progresso do país, as lutas do trabalho, aquilo que tem o melhor de quem luta por mais justiça, mais dignidade para toda a gente", enaltece Catarina Martins, em entrevista à agência Lusa.

Mas, se o partido fez amigos, Catarina Martins sabe que também colecionou - "e ainda bem" - "inimigos poderosos, nomeadamente nos grandes grupos económicos e numa elite financeira".

"Quando o Bloco nasceu foi o partido que começou a chamar as coisas pelos seus nomes próprios e que esteve ali a explicar ao país todo como é que funciona a porta giratória entre o poder económico e o poder político, o que é o privilégio, o que são setores rentistas. O Bloco trocou esses conceitos muito por miúdos", destaca.

Por dizer "as coisas como elas são", o BE "cria um enorme desconforto nessa elite", um incómodo que a líder bloquista também perceciona que é provocado no PS uma vez que este "gosta de se chamar a si próprio de partido de esquerda e gosta de ser portador dessa modernidade", mas sempre "teve uma política de centrão".

Apesar de ainda não ter aderido ao partido nessa altura, foi com o BE que Catarina Martins se manifestou contra a guerra do Iraque - um dos primeiros protestos da sua filha primogénita ainda "muito bebé" -, tendo estado de novo junto do partido na campanha pelo "sim" no referendo à interrupção voluntária da gravidez.

"Na altura de todas as manifestações contra a Guerra do Iraque [2003] tentei aderir ao BE e enviei um pedido de adesão a que nunca ninguém respondeu. Nada. Até hoje esse pedido ficou perdido", relata, em tom de brincadeira.

Os partidos que deram origem ao BE - PSR, UDP e Política XXI, entretanto extintos - "eram já o meio político" no qual Catarina Martins se movimentava, sendo, aliás, o seu pai um dos 248 subscritores do "Começar de Novo", que permitiu a fundação da força política.

"Ainda bem que aqueles partidos pequenos se juntaram porque nenhum de nós sabia porque é que naquela altura eles eram partidos diferentes quando era preciso juntar as vozes e organização à esquerda", observa.

A líder bloquista considera-se "prova" dessa necessidade já que admite que "não seria parte de nenhum dos partidos que deram origem ao Bloco", apesar de o Bloco ser o seu "espaço político desde sempre".

O BE foi assim a "casa" para aqueles que estavam "órfãos de espaço político", pessoas que "eram de esquerda e que, portanto, nunca seriam do PS" ou que "não eram conservadoras e, portanto, o espaço do PCP, que é uma esquerda conservadora, nunca seria o seu espaço".

"O Bloco de Esquerda não é um espaço novo, é a expressão de um espaço que já existia e que sempre existiu", simplifica.

Do tempo do arranque do partido, Catarina Martins lamenta a "pouca visibilidade às mulheres e aos movimentos feministas" uma vez que o BE "é o primeiro partido que chega ao parlamento afirmando-se como feminista", recorrendo à história para lembrar que o primeiro projeto de lei que os bloquistas apresentaram, ainda só com Louçã e Fazenda como deputados, foi sobre violência doméstica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório