Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

"Valeu a pena" entendimento com o Bloco, PCP e Verdes, afirma Costa

O primeiro-ministro considerou hoje que "valeu a pena" o acordo parlamentar entre o PS, Bloco, PCP e PEV, defendendo que introduziu uma mudança política, "garantiu estabilidade" ao país, regresso à "normalidade" constitucional e "recuperação" económica.

"Valeu a pena" entendimento com o Bloco, PCP e Verdes, afirma Costa
Notícias ao Minuto

12:56 - 29/11/18 por Lusa

Política OE2019

António Costa assumiu esta posição na sessão de encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2019, momentos antes de os deputados procederem à votação final global da proposta do Governo.

"Estamos a poucos minutos de comprovar que valeu a pena o PS, o Bloco de Esquerda, o PCP e "Os Verdes" terem construído a maioria parlamentar que permitiu a mudança de políticas, garantiu a necessária estabilidade, o regresso à normalidade constitucional, a recuperação económica do país e a melhoria sustentada da vida dos portugueses. Vencidas as dúvidas de muitos, desmentidos os anunciados planos B, desautorizadas as proclamadas impossibilidades aritméticas, afastados os receados diabos, este é o momento certo de dizer, valeu a pena afirmar uma alternativa de Governo que permitiu reconstruir a confiança", sustentou António Costa.

De acordo com o primeiro-ministro, no caminho até agora percorrido pelo seu executivo, houve "mais crescimento, melhor emprego, maior igualdade, contas certas e credibilidade internacional de Portugal".

"A principal conquista desta legislatura é a confiança. Desde logo a confiança dos cidadãos nas instituições democráticas e na União Europeia. Temos hoje uma democracia mais rica, onde todos contam por igual, onde é sempre possível construir uma alternativa em que a participação ativa na União Europeia não subtrai aos cidadãos a liberdade de escolha, como se estivessem condenados ao pensamento único da ortodoxia liberal", declarou, numa nota de demarcação face ao Governo anterior.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro advogou que o seu Governo reduziu o défice e a dívida sem cortes nas pensões e nos salários, procedendo, antes, a devoluções e aumentos de pensões e de salários.

"Fizemo-lo sem aumentar impostos, devolvendo, pelo contrário, 1000 milhões de euros de IRS às famílias. Fizemo-lo sem enfraquecer serviços públicos e direitos, pelo contrário recuperando serviços públicos e restituindo direitos. Ou seja, não sacrificámos os portugueses à obsessão do défice; melhorámos o défice melhorando vida dos portugueses", sustentou.

Ainda segundo António Costa, em 2015, promete a construção de uma alternativa política e, esse objetivo, na sua opinião, foi cumprido.

"Cumprimos a Constituição da República Portuguesa, cumprimos as regras acordadas com os nossos parceiros da UE, cumprimos as posições conjuntas assinadas com o PEV, o PCP e o BE e, acima de tudo, cumprimos os nossos compromissos com os portugueses. É assim que o Governo se apresenta perante esta Assembleia da República", acrescentou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório