Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

PSD diz que explicações de Medina sobre SMS da EMEL são insuficientes

O vereador do PSD João Pedro Costa considerou hoje insuficientes as explicações do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), sobre a mensagem enviada pela EMEL sobre os riscos da tempestade Leslie.

PSD diz que explicações de Medina sobre SMS da EMEL são insuficientes
Notícias ao Minuto

20:13 - 18/10/18 por Lusa

Política Lisboa

Na terça-feira, Medina considerou "absurdo" o debate em torno da mensagem enviada pela empresa municipal de estacionamento da capital sobre os riscos da tempestade Leslie, vincando que serão utilizadas "todas as bases de dados" à disposição para prevenir situações como esta.

"Tenho assistido com uma imensa perplexidade ao absurdo deste debate sobre o envio ou não envio de mensagens pela EMEL. Absurdo, absurdo é ouvir responsáveis da Proteção Civil do país a dizerem que não emitiram mensagens para as populações afetadas porque o protocolo com a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) só lhes permite enviar mensagens em caso de fogos rurais", vincou o socialista durante a sessão plenária da Assembleia Municipal.

Em resposta precisamente aos deputados sociais-democratas, Fernando Medina garantiu que, "em qualquer circunstância análoga", o município usará "todas as bases de dados" que tiver disponíveis para que se cumpra a sua "principal missão, que é proteger a cidade de Lisboa".

Para o PSD, as explicações dadas por Fernando Medina "são insuficientes se não forem seguidas da correção das disfunções que foram identificadas".

Em declarações à agência Lusa, o vereador João Pedro Costa apontou que "a Proteção Civil não pode desempenhar a sua função com base em favores de outras empresas públicas".

O autarca social-democrata realçou que deveria ter sido esta entidade a avisar a população "e não a EMEL, que não tem essa missão, e desqualifica a Proteção Civil".

Assim, afirmou, "a Proteção Civil deve ter a sua base de dados própria e é esse trabalho que deve ser feito daqui para a frente". Para isso, "é preciso dotar a Proteção Civil de todas as ferramentas para poder atuar quando necessita, e servir os cidadãos", sublinhou.

"Se a EMEL tem uma boa base de dados, deve utilizá-la para avisar os lisboetas quando têm o carro mal estacionado e antes de rebocar os automóveis", considerou João Pedro Costa.

"Face à passagem do furacão Leslie e recente avaliação do fenómeno atmosférico estão previstos vento e chuva fortes, afetando a cidade de Lisboa. É importante que se mantenha em casa após 18:00", pode ler-se na mensagem enviada pela EMEL - Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, recebida, em alguns casos, já ao final da manhã ou durante a tarde de domingo.

No domingo, questionado sobre estas mensagens, o comandante nacional da Proteção Civil, Duarte Costa, negou qualquer responsabilidade, explicando que só tem "protocolo" para envio de mensagens em caso de risco de incêndio.

O responsável adiantou que o envio de mensagens ainda foi debatido, mas que se chegou à conclusão de que, sem se saber bem onde a tempestade iria passar, as mensagens poderiam ser "extemporâneas e levantar alarmismos".

A passagem do furacão Leslie por Portugal, no sábado à noite e domingo de manhã, onde chegou como tempestade tropical, provocou 28 feridos ligeiros e 61 desalojados e causou maiores danos na região centro do país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório