Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Bloco de Esquerda quer "apoio efetivo" à agricultura familiar e informal

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu hoje "apoios efetivos" à agricultura familiar e ao arranque dos eucaliptos, numa visita a localidades que há um ano estavam debaixo de chamas, e destacou dois dossiês governamentais que preocupam o BE.

Bloco de Esquerda quer "apoio efetivo" à agricultura familiar e informal
Notícias ao Minuto

14:42 - 15/10/18 por Lusa

Política Catarina Martins

"Os apoios à agricultura informal e à agricultura familiar que de facto é muito importante, diziam-me há pouco que 50% das terras tinham sido abandonadas e de facto quando as terras ficam abandonadas, o risco de incêndio e os problemas ambientais aumentam, precisamos muito de apoiar esta agricultura familiar", disse Catarina Martins.

Numa visita ao concelho de Vouzela, no distrito de Viseu, um ano depois dos incêndios de 15 de outubro de 2017, que fizeram 50 mortos, a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) alertou para a "urgência na reconstrução daquilo que as pessoas perderam" e para a "necessidade de se olhar para a paisagem, para a agricultura, para a floresta" e "é preciso o apoio chegar, ser efetivo".

"O interior precisa de gente e, portanto, precisamos de políticas ativas, porque estamos num círculo vicioso de degradação de territórios e abandono de populações que não podemos assistir passivamente e é por isso também que fazemos projetos de apoio a quem aqui vive", esclareceu.

E para evitar o abandono do interior do país, Catarina Martins reforçou que "é preciso reconstruir redes de serviços públicos, é a primeira forma de ter emprego, de ter gente, é preciso apoiar os produtores florestais e a agricultura familiar".

Outra questão levantada por Catarina Martins prende-se com o "problema da produção florestal", referindo o problema da madeira, do seu escoamento e a proliferação dos eucaliptos.

"Estão a crescer de uma forma desordenada e estão a fazer um tapete nesta paisagem e, daqui a uns anos, se nada for feito teremos uma paisagem ainda mais perigosa de que aquela que tínhamos há um ano", alertou.

Neste sentido, defendeu também "apoios efetivos à floresta" e lembrou que o BE tem um projeto no parlamento "para que os eucaliptos sejam arrancados, para que haja apoio para isso acontecer".

À margem desta visita, e no mesmo dia em que os novos quatro ministros foram empossados, Catarina Martins reafirmou aos jornalistas que "há dois dossiês que preocupam" o BE.

Um deles é "o da lei de bases da saúde que estava atrasada, a saúde era uma área muito paralisada" e agora, disse, espera que "esta remodelação seja no sentido de avançar, finalmente".

"O outro, em sentido contrário, é a área da energia em que finalmente em Portugal se começava a avançar qualquer coisa para combater as rendas excessivas da EDP e nós esperamos que esta remodelação não signifique nenhum recuo nesta que é uma luta essencial na justiça da economia e da saúde da economia", alertou.

No entender de Catarina Martins, "combate às rendas excessivas da EDP, e as pessoas compreendem, é importante para todas as famílias, para as empresas, para todo o território" até porque, disse, "a energia em Portugal é das mais caras da Europa".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório