Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

"Quadros superiores da Função Pública são muito mal pagos"

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje que os quadros superiores da função pública são mal pagos e defendeu que deveriam ser englobados nos aumentos salariais anunciados.

"Quadros superiores da Função Pública são muito mal pagos"
Notícias ao Minuto

23:36 - 03/10/18 por Lusa

Política OE2019

"Estou há muitos anos preocupado com os quadros superiores da Função Pública, que são muito mal pagos. Portanto, a Função Pública tem de ter quadros de qualidade", afirmou Rui Rio aos jornalistas, à entrada para uma sessão com militantes do PSD/Oeste, na Lourinhã, distrito de Lisboa.

Referindo não ter uma opinião concreta por ainda se desconhecer a proposta do Orçamento de Estado para 2019, o social-democrata defendeu que se "tem de tem de olhar para os salários da função pública de uma forma global".

"Compreendo que é simpático dar aumentos a quem tem menos e menos aumentos a quem tem mais, mas a verdade é que a função pública está a perder competitividade", alertou o presidente do PSD, quando questionado sobre a entrevista do primeiro-ministro à TVI, na segunda-feira.

Sobre a intenção de António Costa manter a solução governativa existente se ganhar as eleições legislativas do próximo ano, o líder do PSD considerou que "ter o PCP e o Bloco de Esquerda na esfera da governação é sempre uma condicionante muito grande".

Rui Rio tem uma "opinião exatamente contrária" à do PS sobre a eficácia da governação parlamentar à esquerda.

"Pode funcionar bem no quadro dos interesses do PS, do PCP e Bloco de Esquerda. No quadro dos interesses do país, é preciso fazer determinadas reformas, pôr o país a crescer e a desenvolver-se e não me parece que seja essa a solução", concretizou.

Na entrevista de segunda-feira, à pergunta se haverá um aumento do salário base dos trabalhadores da administração pública em 2019, António Costa referiu que o seu executivo irá "tão longe quanto for possível", observando, depois, que, neste momento, se está em fase de negociação sindical.

"Entendo que teria maior eficácia concentrar a margem financeira que existe em quem mais precisa e onde a diferença é maior do que disseminar de uma forma igualitária por todos, beneficiando todos pouco. Em alguns vencimentos, nos mais altos, essa diferença não fará a diferença", alegou o primeiro-ministro.

Na mesma entrevista, o primeiro-ministro mostrou-se pouco confiante na possibilidade de PCP e Bloco de Esquerda entrarem num eventual futuro Governo do PS, alegando que o grau de compromisso à esquerda dá para serem amigos, mas não para casar.

E o PSD como vai? "Não tão confuso" quanto se pensa

O presidente do PSD falou ainda sobre o que se passa 'dentro de portas', assegurando que os militantes "não estão tão confusos como se possa pensar" com a atual liderança do partido, depois de ter iniciado sessões de debate com militantes.

"Só fui a uma reunião, mas [o objetivo] foi completamente conseguido e [os militantes] não estavam assim tão confusos como se possa pensar", disse aos jornalistas Rui Rio à saída de um encontro com militantes da distrital do Porto e antes de rumar a sul para uma sessão com militantes do PSD/Oeste, na Lourinhã.

Até janeiro, o líder do PSD promete percorrer as restantes distritais do partido, "para conseguir conversar diretamente com os militantes e também ouvir comentários ou sugestões ou alguma pergunta que queiram fazer para clarificar alguma coisa que não esteja clarificada".

"Com a turbulência toda que sai na comunicação social, admito que alguns estejam um bocado confundidos", justificou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório