Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

PSD promete "posição diferente" com medida concreta para função pública

Os sociais-democratas prometeram hoje participar no debate do Orçamento do Estado para 2019 com "uma posição diferente do PSD dos outros anos", apresentando "medidas concretas" alternativas, incluindo sobre a função pública.

PSD promete "posição diferente" com medida concreta para função pública
Notícias ao Minuto

13:05 - 02/10/18 por Lusa

Política OE2019

Esta posição foi transmitida aos jornalistas no parlamento pelo secretário-geral do PSD, José Silvano, que, em reação à entrevista do primeiro-ministro à TVI, considerou que 50 milhões de euros para a função pública "pode ser uma mão cheia de nada" - apesar de esse número nunca ter sido referido por António Costa.

"Sobre os funcionários públicos, só generalidades. Falou num número de 50 milhões de euros, o que nos leva a pensar ainda que pode ser uma mão cheia de nada. Cinquenta milhões de euros sem dizer como nem porquê nem onde, é uma verba perfeitamente insignificante", reagiu o social-democrata.

Este número foi mencionado numa notícia avançada na segunda-feira pelo Observador e hoje também pelo Público. Na entrevista de segunda-feira à noite à TVI, António Costa não referiu qualquer valor para aumentos na função pública.

Questionado sobre a posição do PSD em relação a aumentos na função pública, José Silvano remeteu-a para depois da apresentação da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2019, no dia 15 de outubro, acrescentando: "Vamos ver o que diz a proposta, vamos ver qual é o número que lá está e depois teremos uma proposta concreta nesse domínio".

"Depois de conhecermos a proposta, no dia 15, aí sim - e é uma posição diferente do PSD dos outros anos anteriores - é que iremos apresentar medidas concretas. Eu repito: medidas concretas sobre todos os temas do Orçamento, depois de conhecido, em que estivermos em discordância", prometeu.

"Apresentaremos medidas concretas, sólidas, capazes de resolverem alguns problemas das famílias, das empresas, nunca pondo em causa sequer a sustentabilidade económica das finanças públicas e a redução do endividamento", completou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório