Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Políticos choram morte de João Semedo, "amigo" e "coração gigante"

João Semedo, antigo coordenador do Bloco de Esquerda, morreu na manhã desta terça-feira, vítima de cancro, doença que combatia desde 2013.

Políticos choram morte de João Semedo, "amigo" e "coração gigante"
Notícias ao Minuto

14:18 - 17/07/18 por Melissa Lopes 

Política Óbito

Esta terça-feira está a ser marcada pela morte do antigo coordenador do Bloco de Esquerda, João Semedo, que, aos 67 anos, perdeu a longa batalha contra um cancro nas cordas vocais. Na sua última intervenção pública, considerou que despenalizar a morte assistida seria colocar a tolerância onde tem estado a prepotência de alguns, impondo-se a outros.

"Ajudar a morrer serena e tranquilamente, acabando com o sofrimento inútil, é uma atitude muito nobre, de elevado valor moral e de grande humanismo, que não podemos deixar que seja desvalorizada, caricaturada ou comparada como um homicídio", fez sobressair num texto que enviou para que fosse lido na apresentação do livro 'Morrer com Dignidade', que decorreu em maio, na Assembleia da República. 

Nas redes sociais, muitas são as mensagens de agradecimento e de reconhecimento da pessoa e do político que agora nos deixa.

Do Bloco de Esquerda, a líder do partido, Catarina Martins, publicou uma mensagem de agradecimento.

“Obrigada, João”, escreveu no Facebook, legendando uma fotografia dos dois juntos. Numa nota enviada à Lusa, o partido fala de uma perda que "é de todos os que partilharam o seu ímpar e diversificado percurso, que com ele lutaram, aprenderam e conviveram".

Marisa Matias vai recordar João Semedo como sendo alguém com "um coração gigante, dedicação total para termos uma vida mais decente". E como sendo "o responsável pelo maior acto de amor" que Marisa Matias teve na sua vida política. "Nunca irei esquecer aquele dia de 2016 em Coimbra [quando João Semedo surgiu de surpresa, por ocasião da candidatura de Marisa às presidenciais, pouco tempo depois de ter sido operado]. Quando tudo corre mal é a essas memórias que recorro. A memória de um imprescindível, de um amigo, de um exemplo. Até sempre, João. É mesmo até sempre"

"Um dos indispensáveis, um dos que lutaram a vida toda. Sem sacrifício, com toda a alegria. Sorte e tristeza dos muitos que andaram ao lado dele", sublinhou José Gusmão. 

Moisés Ferreira, o deputado bloquista que se dedica aos temas relacionados com a saúde, também assinala o desaparecimento de João Semedo. "Depois de uma vida intensa, depois de uma luta desigual nos últimos anos de vida. Depois de uma militância sempre ativa em prol do SNS. Um abraço, João. Continuaremos!", escreveu. 

Luís Monteiro vê João Semedo como "um camarada que não será esquecido por ninguém... pelos que o acompanharam profissionalmente nem pelos que militaram lado a lado na política" "Até já, João!".

Agradecendo a João Semedo, e lembrando o que dissera numa das suas últimas entrevistas ("Tive a vida que escolhi, a vida que quis, não tenho nada de que me arrependa no que foi importante"), o deputado Jorge Falcalto sublinha: "Há pessoas assim a quem agradecemos terem vivido"

Isabel Moreira, do PS, agradece ao "querido amigo", "por tudo".  "Acordar com a notícia que não queria , não queria, não queria que chegasse. João Semedo, escreverei sobre ti. Meu querido amigo. Obrigada por tudo", destacou. 

Luísa Salgueiro, do PS de Matosinhos, também se despede do antigo coordenador. "Até sempre, João Semedo", escreveu no Facebook. Maria Antónia Almeida Santos agradece igualmente ao bloquista "por tudo".

O ministro da defesa, Azeredo Lopes assinalou a morte do bloquista, referindo-se a João Semedo como "um homem bom, sereno e justo". Quem também elogiou João Semedo usando os mesmos adjetivos foi o ministro da Saúde.  Adalberto Campos Fernandes sublinhou o exemplo de vida do ex-coordenador do BE João Semedo, que classificou como um "homem sério e bom, sempre dedicado à causa pública". Por seu turno, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues,  recordou João Semedo como um "homem de diálogo" que deixa "imensa saudade". Marcelo Rebelo de Sousa recordou João Semedo como "homem de causas" e defensor do SNS

"Partiu um homem bom", sublinhou Diogo Feio numa nota de pesar no Facebook. "Não tenho as meras palavras de circunstância destas ocasiões. Fomos deputados pelo mesmo Distrito, na mesma altura. Debatemos inúmeras vezes. Quase nunca concordávamos, mas fazíamos pontes. Sempre respeitei a sua faceta de político convicto e admirei a sua enorme coragem. Vais fazer falta", escreveu o centrista.

José Ribeiro e Castro admite as divergências de ideias com João Semedo, mas, sublinha, não era por isso que não estimava sempre "como um homem sério". O centrista recorda Semedo como  "uma pessoa cordata e um adversário leal". "Enfrentou a doença e as suas dificuldades com grande coragem e ainda maior naturalidade. Entristece-me a sua morte. Deixo os meus sentimentos à sua família e aos amigos mais próximos. Que Deus o acolha na sua misericórdia. Seria uma grande partida. E uma revelação. A revelação, afinal, de que todos precisamos", escreveu. 

Do lado do PSD, Rui Rio recordou João Semedo como "um político que lutou por causas e convicções". Já o PCP, limitou-se a enviar as condolências à família e ao Bloco de Esquerda. O deputado comunista António Filipe, por sua vez, sublinhou a "excelente relação" parlamentar com o ex-dirigente bloquista João Semedo, apesar das naturais "divergências e convergências", ao reagir à morte do médico

O funeral de João Semedo é amanhã. Sairá pelas 13:30, da Cooperativa Árvore em direção ao cemitério do Prado do Repouso, no Porto.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório