Meteorologia

  • 22 JULHO 2018
Tempo
26º
MIN 24º MÁX 27º

Edição

“Está montada uma operação para dizer que Governo vai trair a Geringonça"

"Vimos Catarina Martins a afiar o dente para saltar em cima do acordo [de concertação social] e o PCP vai fazer o mesmo", comentou Miguel Sousa Tavares.

“Está montada uma operação para dizer que Governo vai trair a Geringonça"
Notícias ao Minuto

22:23 - 18/06/18 por Melissa Lopes

Política Miguel Sousa Tavares

Miguel Sousa Tavares comentou esta segunda-feira o acordo de concertação social celebrado entre patrões, UGT e Governo. Para o comentador, por princípio, “é melhor haver acordos do que não haver”. No caso, este foi o “acordo possível”, “ melhor do que aquilo que estava em vigor e que vinha da Troika”.

Para os trabalhadores, considerou o comentador, este acordo não é desejavelmente o melhor possível, uma vez que não resolve aquele que, para Miguel Sousa Tavares, é o maior problema. “Portugal continua a ser um país onde o factor trabalho é mal remunerado”.

Apesar de tudo, “foi dado um passo importante”, frisou o escritor.

Tratou-se de um acordo, como todos os acordos de concertação social, em que houve “conciliação de interesses entre o sector empresarial e o sector laboral”, observou, comentando o facto de a CGTP ter ficado, novamente, de fora do acordo.

“Acho que a CGTP nunca assinou nenhum acordo de concertação social, tanto quanto me lembro, não porque sejam todos péssimos mas por uma questão ideológica”, observou, lembrando que a CGTP, sendo “a extensão do PCP”, e considerando a CGTP que a concertação social se opõe à luta de classes”, “não gostam de se conciliar com os patrões”. 

Para o escritor, no dia em que o PCP aceitar que a sua extensão sindical – que é a CGTP – assinar acordos com patrões, perde poder reivindicativo. "A CGTP só já por dever de ofício constitucional é que é convidada para as reuniões de concertação social e só vai lá para manter a fachada, não vai lá para assinar coisa nenhuma", opinou o comentador da SIC.

Para Miguel Sousa Tavares, há no acordo de concertação social" uma contradição curiosa".

"Os setores que mais contestaram - o PCP, o Bloco de Esquerda e o próprio PS -  no tempo de Passos Coelho, durante a crise, o facto de esse governo passar por cima da concertação social e legislar em matéria laboral, desprezando a concertação social, estão agora a fazer o oposto". 

Ou seja, na leitura que o escritor faz da situação, estes sectores "desprezam [agora] aquilo que é acordado na concertação social e querem contestá-lo no Parlamento". 

"Vimos Catarina Martins a afiar o dente para saltar em cima do acordo e o PCP vai fazer o mesmo. E vamos ver se não há sectores do PS que vão contestar o acordo no Parlamento. Mas já está montada toda uma operação para dizer que o Governo vai trair a Geringonça, porque vai fazer passar o acordo no Parlamento com o apoio do PSD. Ora, isso não corresponde à verdade política. O acordo passa porque passou na concertação social com o apoio da UGT", analisou Miguel Sousa Tavares. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.