Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2018
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 13º

Edição

Energia: Comissão aprova audição de 100 personalidades, Costa incluído

A comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia aprovou hoje, por unanimidade, todos os requerimentos dos partidos para audições, chamando assim 100 personalidades, entre as quais todos os primeiros-ministros entre 2004 e 2018, incluindo António Costa.

Energia: Comissão aprova audição de 100 personalidades, Costa incluído
Notícias ao Minuto

14:24 - 14/06/18 por Lusa

Política Inquérito

>" "

"Acabámos de aprovar, por unanimidade, a audição de 100 individualidades e mais 17 entidades. Destas entidades há seis cujos nomes dos presidentes constam das 100 individualidades", disse a deputada do PSD Maria das Mercês Borges, a presidente da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores elétricos.

O PSD tinha sido o único partido a requer a audição do chefe do atual Governo, António Costa, uma vez que chamou todos os "todos os primeiros-ministros que exerceram funções no período objeto desta comissão", que foi fixado entre 2004 e 2018.

O BE - partido que propôs a comissão - entre os mais de 40 nomes, requereu apenas a audição dos antigos primeiros-ministros Durão Barroso, Pedro Santana Lopes, José Sócrates e Pedro Passos Coelho.

Entre o lote de personalidades a ouvir está o ex-ministro da Economia Manuel Pinho, o presidente da EDP, António Mexia, e o ex-presidente do BES Ricardo Salgado.

Do atual executivo serão ouvidos o ministro das Finanças, Mário Centeno, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

Armando Vara, Paulo Macedo (CGD), Ricardo Salgado (BES), José Maria Ricciardi (BESI), Jardim Gonçalves (BCP) e Paulo Teixeira Pinto (BCP) são outros dos nomes chamados.

Os presidentes das principais empresas do setor energético, os ministros e secretários de Estado com a tutela da área da Energia, os presidentes da ERSE e os presidentes da Autoridade da Concorrência entre 2004 e 2018 serão igualmente chamados a prestar depoimento.

De acordo com o Regime Jurídico dos Inquéritos Parlamentares, "gozam da prerrogativa de depor por escrito, se o preferirem, o Presidente da República, os ex-presidentes da República, o Presidente da Assembleia da República, os ex-presidentes da Assembleia da República, o primeiro-ministro e os ex-primeiros-ministros".

Tendo em conta "o longo trabalho" devido à extensa lista de audições aprovadas, a presidente da comissão de inquérito sublinhou a necessidade de se voltar a refletir sobre os dias em que haverá reuniões.

"Apenas com um exercício muito rigoroso, aproveitando todos os dias em que não teremos plenário, até ao final do julho [fim da atual sessão legislativa] poderemos fazer, no máximo, 27 reuniões", explicou.

Antes da votação dos requerimentos com as personalidades a ouvir na comissão, o deputado do PS Luís Testa questionou os "procedimentos adotados pelo BE e PSD", pondo à consideração dos partidos a necessidade de se requerer a audição do atual e anteriores primeiros-ministros.

Por seu turno, Jorge Costa, do BE, defendeu que as audições deveriam começar pelos especialistas e reguladores, devendo depois seguir-se um "escalonamento cronológico das audições", que seguiria a ordem dos vários governos ao longo do tempo, entre 2004 e 2018, e que poderia deixar pendente a chamada do primeiro-ministro de cada executivo.

Já Jorge Paulo Oliveira, do PSD, garantiu que o partido não traz "conclusões no bolso, nem faz juízos precipitados", recordando que "a todo o momento a comissão pode requerer novos depoimentos ou prescindir de outros" e todos os atuais ou ex-chefes de Governo "podem responder por escrito e dispensar a presença física".

Na terça-feira foram aprovados todos os requerimentos apresentados pelos partidos à comissão parlamentar de inquérito às rendas de energia com pedidos de documentos a diferentes entidades como a Procuradoria-Geral da República, o regulador, a Comissão Europeia ou o Governo.

A Assembleia da República aprovou em 11 de maio, por unanimidade, a proposta do BE para constituir esta comissão parlamentar de inquérito, que vai abranger todos os governos entre 2004 e 2018.

Um dos objetos da comissão de inquérito é a "existência de atos de corrupção ou enriquecimento sem causa de responsáveis administrativos ou titulares de cargos políticos com influência ou poder na definição das rendas no setor energético".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório