Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Nova campanha de luta contra o tabagismo "inadmissível"

A deputada socialista Isabel Moreira afirmou hoje que o Ministério da Saúde deve retirar o vídeo que foi divulgado com o objetivo de diminuir o número de fumadores, especialmente os do sexo feminino, considerando a campanha "inadmissível".

Nova campanha de luta contra o tabagismo "inadmissível"
Notícias ao Minuto

22:46 - 30/05/18 por Lusa

Política Isabel Moreira

"Espero que o Ministério da Saúde retire a campanha, que é uma campanha misógina e culpabilizante das mulheres", declarou à agência Lusa.

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, participou na apresentação da antestreia da curta-metragem 'Opte Por Amar Mais', que dará corpo a uma nova campanha da luta contra o tabagismo, desenvolvida pela Direção-Geral da Saúde.

"A curta-metragem 'Opte por Amar Mais', de André Badalo, conta a história de Maria, uma mulher com cancro do pulmão num estádio avançado que continua a fumar. Esta campanha, protagonizada pela atriz Paula Neves, foi idealizada por duas jovens de 18 anos, alunas da Escola Profissional de Artes, Tecnologias e Desporto, e tem por base os números mais recentes sobre o consumo de tabaco", refere o Ministério da Saúde em comunicado.

Segundo o documento, o último relatório do Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo veio confirmar que os homens portugueses estão a fumar menos, em contraciclo com o grupo das mulheres, onde se tem assistido a um preocupante aumento do consumo.

"A realidade exige um reforço da luta antitabágica, sobretudo junto dos mais jovens e, em particular, junto das mulheres", acrescenta o comunicado.

A deputada Isabel Moreira refere que a campanha apresentada "é inadmissível".

"A campanha faz todas as associações da mulher que é mãe e que ao fumar vai ser necessariamente mal-amada e não vai encontra o amor, vai desproteger os seus filhos. É uma campanha que, em termos de igualdade de género, é inadmissível e que deve ser retirada", frisou.

O Ministério da Saúde defende que o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes em Portugal, o que significa que o tabaco mata um português a cada 50 minutos e que as mulheres estão a adoecer e a morrer mais por doenças associadas ao tabaco.

"O relatório das doenças oncológicas, publicado em 2017, destacou o aumento de 15% da mortalidade no sexo feminino, entre 2014 e 2015, por tumores malignos de traqueia, brônquios e pulmão. Em 2014, de acordo com o último Inquérito Nacional de Saúde, uma em cada 10 mulheres com 15 ou mais anos fumava", conclui.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório