Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Ana Gomes admite erros por PS "baixar exigências éticas"

A eurodeputada Ana Gomes avisou hoje, no congresso do PS, que "não vale varrer para debaixo do tapete" o que pode envergonhar e admitiu que o partido errou ao "baixar exigências éticas".

Ana Gomes admite erros por PS "baixar exigências éticas"
Notícias ao Minuto

21:29 - 26/05/18 por Lusa

Política XXII Congresso PS

"Não vale a pena varrer para debaixo do tapete o que do passado pode envergonhar a credibilidade do PS, partido de gente séria e trabalhadora, só se reforça quando assume erros", avisou, num discurso aplaudido pelos delegados ao 22.º Congresso Nacional do PS na Batalha, no distrito de Leiria.

E quanto ao passado, que inclui o mandato de José Sócrates, o antigo primeiro-ministro envolvido no Processo Marquês, acusado de corrupção passiva, nome que nunca pronunciou na tribuna, Ana Gomes admitiu os erros.

"Errámos ao baixar exigências éticas, errámos deixando que o 'pântano', rejeitado por António Guterres em 2002, atolasse o país com a captura do Estado por cidadãos que se sentiam donos de tudo isto", afirmou, numa referência indireta ao processo do BES.

Para a eurodeputada, o 'pântano' "era, é o conluio do centrão, que produziu rendas excessivas nas PPP [Parcerias Público-Privadas], biliões em empréstimos incobráveis, privatizações que hoje dão ao PC [Partido Comunista], não ao nosso, ao chinês, e a interesses privados o controlo de setores vitais" da economia portuguesa.

Para Ana Gomes, este conluio "afunda a confiança dos cidadãos na política, nos políticos e na democracia" e exige-se ação "contra a corrupção, tráfico de influências, as portas giratórias entre Estado e consultadorias privadas".

A ex-diplomata defendeu ainda que é preciso dar o exemplo e o PS, disse, tem de fazê-lo, sugerindo um reforço de poderes, em articulação com o Ministério Público, do Conselho de Prevenção para a Corrupção.

O PS deve também dar sinais nas próximas europeias, afirmando, aí, compromissos de combate à corrupção, acrescentou.

No seu discurso, aplaudido pelos delegados, Ana Gomes pediu também a António Costa, secretário-geral socialista e primeiro-ministro, para continuar a "governar à esquerda e com a esquerda".

E fez um apelo a que um governo do PS tenha mais mulheres porque a "paridade é um teste civilizacional", depois de elogiar o fim do "tabu" que Costa ajudou a quebrar, governando com os partidos à sua esquerda.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório