Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2018
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 21º

Edição

CDS-PP quer salvaguarda de portugueses e da dimensão atlântica da União

A líder do CDS-PP defendeu hoje que a preocupação primeira nas negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) deve ser a salvaguarda da comunidade portuguesa, pedindo ainda atenção para a "dimensão atlântica" da UE.

CDS-PP quer salvaguarda de portugueses e da dimensão atlântica da União
Notícias ao Minuto

12:34 - 25/05/18 por Lusa

Política Brexit

"A preocupação primeira é a salvaguarda dos 400 mil portugueses que vivem e trabalham no Reino Unido e também das muitas empresas que exportam e tem no Reino Unido um grande parceiro comercial", declarou Assunção Cristas, no final de uma reunião com o negociador-chefe da União Europeia para o 'Brexit', Michel Barnier, na sede do CDS-PP, em Lisboa.

Assunção Cristas frisou que é preciso manter a garantia de que as pessoas podem continuar a fazer as suas vidas, a trabalhar e a estudar no Reino Unido, admitindo que "nas fases de transição" há sempre "inquietudes" por parte dos cidadãos e elogiando o trabalho da União Europeia no sentido de tranquilizar os europeus.

A presidente do CDS-PP defendeu a necessidade de que o processo negocial, que deverá estar concluído até março de 2019, deixe os Estados membros da União Europeia e o Reino Unido "numa situação em que sintam que, apesar de tudo, houve uma boa negociação" e rejeitou uma "lógica punitiva".

Por outro lado, Assunção Cristas advertiu que, com o 'Brexit', a "dimensão atlântica" da União Europeia fica "mais frágil", o que exige "muita atenção" visando que aquela dimensão se mantenha como "um pilar muito importante".

"É importante que a dimensão atlântica não se perca e não fique fragilizada e que os países que ficam, e Portugal à cabeça desse grupo de países, continuem a puxar a agenda do mar e do oceano atlântico também para o centro das preocupações europeias", defendeu.

Quanto ao ponto atual das negociações, Assunção Cristas considerou que existe uma "posição muito forte e sólida dos 27 países" e disse registar "muita instabilidade e muita inquietude" por parte do Reino Unido.

"Nós vemos as notícias e vários políticos de renome tomarem posição quase que pedindo uma reversão deste processo que será naturalmente muito difícil ou mesmo impossível, mas é importante que este processo chegue ao fim dentro dos calendários previstos e com tranquilidade", sustentou.

Michel Barnier, que hoje não prestou declarações no final da reunião com a direção do CDS-PP, afirmou na quinta-feira à noite que "todos os cidadãos portugueses" no Reino Unido "devem registar-se" para garantir os seus direitos após a saída da União.

"A segurança jurídica dos cidadãos [europeus] a viver no Reino Unido será a ratificação do tratado" de saída daquele país da UE, disse Barnier, numa audição na comissão de Assuntos Europeus da Assembleia da República.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.