Meteorologia

  • 19 JULHO 2018
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 17º

Edição

Incêndios: Orientação do Governo "é reforçar papel" das Forças Armadas

O ministro da Defesa afirmou hoje que "é uma orientação clara do Governo" reforçar o papel das Forças Armadas na prevenção e combate aos incêndios florestais, embora indique não ter ainda lido o relatório sobre os fogos de outubro.

Incêndios: Orientação do Governo "é reforçar papel" das Forças Armadas
Notícias ao Minuto

15:31 - 21/03/18 por Lusa

País Ministro

"Não li o relatório e é evidente que não vou comentar. Como sabem, é uma orientação clara do Governo que venha a ser reforçado cada vez mais o papel das Forças Armadas, como de outros agentes, nas ações ligadas à prevenção e indiretamente no combate aos incêndios florestais", afirmou o ministro Azeredo Lopes, questionado hoje pelos jornalistas à margem da cimeira "eHealth Summit", que decorre em Lisboa.

Segundo o relatório da comissão técnica independente sobre os incêndios de outubro de 2017, o apoio das Forças Armadas no combate a esses incêndios "ficou aquém do desejável", pelo que é necessário melhorar a cooperação com a Proteção Civil.

O ministro da Saúde disse ainda que aplaude "profundamente o esforço" que viu no terreno ser feito pelas Forças Armadas.

"Se houve alguma questão suscitada, o relatório será lido com toda a atenção e tomadas medidas que permitam eventualmente corrigir ou melhorar o que detetou como tendo corrido menos bem", declarou aos jornalistas.

"As Forças Armadas Portuguesas, desde sempre, têm estado presentes no apoio e reforço ao terrível flagelo dos incêndios florestais que anualmente assolam o nosso país. Fazem-no em ações de prevenção, combate e rescaldo, mas lamentavelmente em modo que contraria os princípios que norteiam a instituição militar. Onde deve haver planeamento, preparação, treino e ação conjunta tem havido muita ausência destes princípios", refere o relatório "Avaliação dos Incêndios ocorridos entre 14 e 16 de outubro de 2017 em Portugal Continental".

Dos três ramos das Forças Armadas, a Marinha "não forneceu elementos que materializassem qualquer ação"; o Exército realizou 55 ações de patrulhamento e oito ações diferenciadas, com 29 oficiais, 119 sargentos e 557 praças no terreno, apoiados por 140 viaturas ligeiras, médias e pesadas, uma viatura pronto-socorro e quatro plataformas; e a Força Aérea "identificou uma missão com o empenhamento de sete oficiais, sete sargentos e dois praças, tendo concretizado oito a nove horas de voo", revela o documento de análise aos fogos de outubro de 2017.

Segundo a comissão técnica independente que analisou os fogos, integrando 12 peritos, o Exército trabalhou no âmbito do Plano Lira, "com tarefas bem definidas" no apoio à prevenção e combate aos fogos florestais, mas quando foi necessário empenhar meios em tarefas que não estavam previstas foram criadas "ações menos coerentes, como, por exemplo, Destacamentos de Engenharia solicitados para um determinado local [que], à sua chegada, eram reencaminhados para um outro local".

"Algumas solicitações surgiram durante o período noturno e os equipamentos pesados de engenharia têm limitações operacionais durante esse período (a iluminação insuficiente não garante um emprego eficaz). Foi necessária uma intervenção firme de comando para evitar ações sem reconhecimentos prévios", refere o relatório sobre a intervenção do Exército no combate aos incêndios de outubro.

Neste âmbito, os peritos recomendam a sensibilização dos representantes das Forças Armadas junto dos elementos de Proteção Civil acerca das "possibilidades e limitações do emprego dos militares que pertencem ao Exército".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.