Meteorologia

  • 23 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Já se estudam "medidas adicionais" para rebocar navio encalhado

O porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN), Fernando Pereira da Fonseca, disse hoje que estão a ser estudadas "medidas adicionais" para retirar o navio encalhado na foz do Rio Tejo, à saída da barra de Lisboa.

Já se estudam "medidas adicionais" para rebocar navio encalhado
Notícias ao Minuto

06:22 - 15/03/18 por Lusa

País Lisboa

Em declarações à agência Lusa pelas 02:00, Fernando Pereira da Fonseca explicou que "na Capitania de Lisboa, na sala de situação, estão reunidos o capitão do porto e a sua assessoria técnica, o representante do armador e o representante da empresa que está a tentar rebocar o navio".

"O objetivo é tentar encontrar medidas que acelerem este processo", adiantou o porta-voz da AMN, esclarecendo que "uma das hipóteses mais prováveis é a redução da carga" da embarcação.

Segundo Fernando Pereira da Fonseca, "reduzindo a carga, o rebocador terá mais capacidade para realizar manobras de desencalhe", pois "aumentará a velocidade de reboque".

"Prevemos que a meio da manhã haja mais pormenores sobre estas medidas adicionais", referiu o responsável, assinalando que na quarta---feira "a operação decorreu dentro da normalidade, embora segundo o capitão do Porto de Lisboa o navio não avançou o que se esperava".

Na quarta-feira, o navio espanhol tinha sido arrastado cerca de 80 metros, de acordo com declarações prestadas pelo porta-voz da AMN pelas 19:15.

"O navio neste momento está a cerca de 80 metros da posição inicial onde estava encalhado", disse então Fernando Pereira da Fonseca.

O "Betanzos", com dez tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de dia 06 de março, cerca das 01:00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

O navio está encalhado perto do Farol do Bugio, no Forte de São Lourenço do Bugio, concelho de Oeiras, na foz do Rio Tejo, e transporta oito mil toneladas de areia com sílica, usada na indústria de porcelana e cerâmica.

A bordo do navio, que se deslocava para Casablanca, em Marrocos, estão 130 toneladas de combustível e 20 toneladas de resíduos oleosos, mas segundo o porta-voz da AMN, na ausência de danos estruturais, o risco de derrame é baixo.

Na quinta-feira passada, como medida de precaução devido ao mau tempo, dez tripulantes e quatro elementos técnicos foram resgatados do navio pelo helicóptero da Força Aérea Portuguesa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.