Meteorologia

  • 19 JUNHO 2018
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 20º

Edição

Na Madeira há entendimento mas há greve de professores por solidariedade

A greve dos professores na região da Madeira é solidária com as estruturas nacionais, uma vez que o descongelamento das carreiras na região autónoma está "alinhavado", disse o presidente do Sindicato dos Professores da Madeira (SPM).

Na Madeira há entendimento mas há greve de professores por solidariedade
Notícias ao Minuto

09:55 - 13/03/18 por Lusa

País Região

uma greve solidária, mas é mais do que isso porque há outros motivos", explicou Francisco Oliveira, reconhecendo que a recuperação do tempo de serviço é uma questão fundamental nesta paralisação, ainda que desde 13 de dezembro de 2017, o SPM tenha um memorando com a secretaria regional da Educação em que é assumida a recuperação integral do tempo de serviço dos períodos de congelamento para efeitos de progressão na carreira.

"Nós temos a questão aqui alinhavada, não está resolvida. Há um compromisso por parte do governo regional de assumir a recuperação desse tempo todo dos períodos de congelamento e entre março e abril esperamos que seja posto no papel a forma como vai ser desenvolvido todo o processo", afirmou.

Francisco Oliveira reconhece que devido a esta questão haverá professores a equacionarem a adesão à greve, mas recordou que numa assembleia geral do SPM, 85% disseram sim, 5% não e 15% abstiveram-se.

"Não terá com certeza os números de adesão que tiveram as greves anteriores, mas será fundamental para muitas pessoas", disse.

O SPM tem agendado para as 12:00 horas um balanço à greve na Madeira.

A greve é convocada pelas 10 estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, entre as quais as duas federações - Federação Nacional de Educação (FNE) e Federação Nacional dos Professores (Fenprof) - e oito organizações mais pequenos: ASPL, Pró-Ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB E SPLIU.

A greve arranca hoje nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira, e termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

No dia 14 a greve concentra-se na região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro) e no dia 15 na região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.