Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2018
Tempo
19º
MIN 19º MÁX 19º

Edição

Mina de urânio a céu aberto: "Mais uma vez, Portugal foi ignorado"

Nuno Sequeira, da Quercus, esteve presente nas reuniões desta segunda-feira com os autarcas espanhóis e espera agora que o Governo português possa tomar medidas para travar a implantação da mina de urânio a céu aberto, junto a Salamanca, próximo da fronteira com Portugal.

Mina de urânio a céu aberto: "Mais uma vez, Portugal foi ignorado"
Notícias ao Minuto

14:25 - 19/02/18 por Melissa Lopes 

País Quercus

Nuno Sequeira, membro da Quercus que integrou as reuniões da comissão parlamentar esta segunda-feira em Retorillo, em Salamanca, onde começaram os trabalhos para a instalação de uma mina de urânio a céu aberto, considera que, tal como no caso de Almaraz, “Portugal foi ignorado” e que não “há sombra de dúvida” sobre os impactos nefastos deste projeto para o território nacional.

Em declarações ao Notícias ao Minuto, Nuno Sequeira disse que as reuniões com os autarcas do país vizinho, e a sessão aberta ao público que se seguiu, foram um passo importante, uma vez que os deputados tiveram contacto com a realidade e podem agora levar à Assembleia da República as suas preocupações e impressões relativamente a um projeto que "é muito preocupante”.

Os seus impactos, frisou o responsável da Quercus, seriam “grandes e graves”, quer ao nível do ar, através de poeiras radioactivas, quer ao nível dos solos, através das zonas que drenam para o rio Douro, dada a proximidade com o nosso país - cerca de 40 km em linha reta. 

“Em última instância, terá de ser o Governo a tomar medidas para que este projeto possa ser travado”, disse Nuno Sequeira, esperando que essas negociações políticas possam ser feitas de forma célere e incisiva. O responsável apontou o dedo a Espanha, que ainda não procedeu a uma avaliação dos impactos transfronteiriços, o que, para Nuno Sequeira, é "lamentável" e corresponde a uma "flagrante omissão e desrespeito pela lei comunitária". 

“Mais uma vez, Portugal foi ignorado, não sabemos se de forma propositada ou não. O Governo espanhol tem de se começar a habituar ao facto de Portugal ter uma palavra a dizer sobre projetos com impactos transfronteiriços”, notou, avisando que os cidadãos portugueses “não vão continuar a admitir que mais processos deste tipo ocorram”. “O que nós esperávamos era que o processo de Almaraz trouxesse alguma moralidade ao governo espanhol”, fez sobressair por fim. 

Nuno Sequeira adiantou ainda que no próximo sábado realizar-se-á uma manifestação em Salamanca, onde estará uma delegação da Quercus, “para mostrar ao Governo espanhol que há oposição a este projeto nefasto, um projeto que não é sustentável nem do ponto de vista ambiental nem do ponto de vista económico”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório