Meteorologia

  • 24 MAIO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Caso Celtejo: "Segredo de Justiça é suspeito, merece ser investigado"

A poluição no rio Tejo foi um dos temas abordados, esta segunda-feira à noite, por Miguel Sousa Tavares no seu habitual comentário no ‘Jornal da Noite’ da SIC.

Caso Celtejo: "Segredo de Justiça é suspeito, merece ser investigado"
Notícias ao Minuto

21:31 - 12/02/18 por Patrícia Martins Carvalho

País Sousa Tavares

Para Miguel Sousa Tavares há "três coisas que são absolutamente estranhas” no que diz respeito ao caso da poluição no rio Tejo.

O comentador recordou, esta segunda-feira, que duas empresas de celulose foram ilibadas do crime de poluição depois de as análises terem comprovado que estava tudo dentro dos parâmetros permitidos por lei. No entanto, o comentador considerou que “não deveriam estar porque o caudal do rio está a um terço e, por isso, os parâmetros deviam estar abaixo”.

Mas esta situação, acusou Sousa Tavares, é “culpa do ministro do Ambiente”.

Mais estranho, explicou, é todo o processo que envolve a Celtejo. O “primeiro fator estranho” diz respeito à demora em serem recolhidas amostras para análise. Sousa Tavares recordou que só ao fim de “cinco dias” é que os inspetores puderam levar a cabo o seu trabalho, tendo sido preciso pedir a intervenção da GNR.

O “segundo fator estranho” prende-se com a atuação do Ministério Público de Castelo Branco que decretou o segredo de justiça relativamente ao caso, o que, por outras palavras, significa que os resultados das análises às amostras recolhidas não serão do conhecimento geral.

E para Sousa Tavares tudo isto é “estranho” porque, por norma, o Ministério Público só interviria caso ficasse provado através das análises que a Celtejo havia agido de “má-fé deliberada” nas descargas efetuadas no rio Tejo. Descargas estas, frisou o comentador, que "representam 80% dos resíduos da empresa", o que leva o escritor a considerar que a decisão do MP é “só para proteger a Celtejo”.

Por fim, o “terceiro fator estranho” está relacionado com a empresa proprietária da Celtejo que é a Cofina que detém, também, o jornal Correio da Manhã e a revista Sábado que “são os grandes violadores do segredo de justiça”.

“Por um lado temos o Ministério Público que se dedica todos os dias a mandar informações para o Correio da Manhã e para a Sábado e do outro lado temos o mesmo Ministério Público que protege uma empresa da Cofina com o segredo de justiça”, defendeu.

Face ao exposto, Sousa Tavares reiterou ser “altamente suspeita esta declaração de segredo de justiça”, razão pela qual “merece ser investigada pelo próprio Ministério Público”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.