Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Operação Lex: "Os juízes não podem viver num mundo à parte"

O fundador do Clube dos Pensadores falou sobre a Operação Lex e a forma como os juízes são tratados.

Operação Lex: "Os juízes não podem viver num mundo à parte"
Notícias ao Minuto

11:06 - 01/02/18 por Inês André de Figueiredo 

País Joaquim Jorge

Joaquim Jorge analisou o caso da Operação Lex, inquérito dirigido pelo Ministério Público junto do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) com a coadjuvação de magistrados do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), e na qual o juiz Rui Rangel é figura central, mas onde estão envolvidos muitos outros nomes.

“É importante num estado democrático, uma verdadeira separação de poderes: justiça para um lado e poder político para outro”, destaca o fundador do Clube dos Pensadores (CdP), recordando casos envolvendo “José Sócrates, ex-primeiro-ministro, Armando Vara ex-ministro, Oliveira e Costa, ex-secretário de Estado, Duarte Lima ex-dirigente do PSD. (...) banqueiros como Ricardo Salgado, gestores, procuradores, juízes, até, um ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente”.

Nesta senda, o biólogo de formação acredita que estamos a constatar que “a justiça não olha a cargos , lugares e gente com posses, procurando tratar todos por igual”.

“É lamentável e passível de severa punição alguém com funções públicas aproveitar-se em benefício próprio e dos seus”, critica num texto de opinião enviado ao Notícias ao Minuto. Contudo, Joaquim Jorge frisa que na "operação Lex, tendo em conta a gravidade das suspeitas, não se percebe porque Rui Rangel e Fátima Galante se mantêm em funções”. 

Não se compreende nos tempos que correm com acesso a informação quase em tempo real, uma tão grande morosidade. A burocracia por vezes é bacoca”, realça.

Na opinião do biólogo, “os profissionais de justiça têm que se adaptar aos novos tempos e evoluírem. Todo o mundo em Portugal sabe que Rui Rangel e Fátima Galante foram constituídos arguidos menos o Conselho Superior de Magistratura”.

Dá a entender que querem ganhar tempo para proteger os seus. Os juízes não podem viver num mundo à parte de todos os portugueses: têm direitos e obrigações e devem ser tratados como todos os portugueses por igual”, defende.

Joaquim Jorge garante ainda que “muita gente parece esquecer ou ignorar que a justiça tem evoluído favoravelmente com uma verdadeira actuação desde que a ex- ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz convidou Joana Marques Vidal para Procuradora- Geral da República e nomeou Alexandre Rodrigues para Director nacional da PJ”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório