Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 16º

Edição

Aulas retomadas hoje em escola secundária de Évora após protesto

As aulas na Escola Secundária André de Gouveia (ESAG), em Évora, que estiveram suspensas na quarta-feira, foram hoje retomadas, depois de serem desbloqueadas a realização de obras na cozinha e a contratação de pessoal não docente.

Aulas retomadas hoje em escola secundária de Évora após protesto
Notícias ao Minuto

11:06 - 18/01/18 por Lusa

País Protesto

"Hoje, estamos a funcionar normalmente", embora com algumas restrições, porque "a cozinha já está a ser intervencionada", disse à agência Lusa Maria de Lurdes Batista, diretora do estabelecimento e do Agrupamento de Escolas n.º 4 de Évora.

A ESAG, com cerca de 600 alunos, do 7.º ao 12.º ano, esteve sem aulas, na quarta-feira, por a direção do agrupamento ter decidido que não existiam "condições mínimas" para o funcionamento, devido à falta de funcionários, impossibilidade de fornecer refeições e necessidade de obras.

Maria de Lurdes Batista explicou hoje que, em virtude do protesto, corroborado pelos pais e encarregados de educação, professores e pessoal não docente, a diretora-geral dos Estabelecimentos Escolares esteve presente numa reunião na escola, na quarta-feira.

"A diretora-geral veio desbloquear essa situação, com um empreiteiro trazido de Lisboa para arranjar" a cozinha, "já a partir de hoje", revelou Maria de Lurdes Batista, satisfeita pelo avanço da "obra de emergência".

A cozinha da escola está, pois, fechada e vão ser colocados tubos da água à face das paredes, para substituir a tubagem antiga e ferrugenta que está dentro da estrutura, devendo o espaço ficar "capaz de funcionar" no espaço de "oito dias".

Neste período, as refeições aos alunos, disse, vão incluir sopa, confecionada noutro estabelecimento, e sandes, baguetes e fruta servidas no bar.

Maria de Lurdes Batista indicou também que foram desbloqueadas "21 horas para contratos a tempo parcial" de "seis tarefeiras", que vão reforçar o pessoal não docente.

"Isto quer dizer que cada pessoa pode fazer três horas e meia por dia. Já consegui quatro pessoas na quarta-feira, porque as tinha em bolsa de contratualização, e hoje vou abrir concurso para as outras duas", referiu.

Quanto ao pavilhão gimnodesportivo, a sua utilização fica dependente das condições climatéricas: "Se tiver condições, ou seja, se não chover, abre, mas, se tiver condensação, não abre".

Para a diretora, todas estas medidas são "uma solução de emergência", mas a escola vai continuar a reivindicar a requalificação que está programada no Portugal 2020.

"A escola não está degradada visivelmente porque nós investimos sempre dinheiro para as pequenas obras de manutenção, mas tudo isso são 'pensos rápidos'. A escola precisa de uma manutenção maior", defendeu.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou na Assembleia da República, na quarta-feira, que o Governo vai disponibilizar uma verba de 70 mil euros para "resolver os problemas" da ESAG, mas a diretora do agrupamento disse hoje desconhecer do que se trata: "Não tenho conhecimento e vou pedir explicações".

Contactada pela Lusa, Dulce Santos, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação do agrupamento escolar, congratulou-se pelo reinício das aulas na ESAG e pelas medidas imediatas adotadas, mas defendeu o avanço da requalificação da escola.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.