Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 15º

Edição

Mário Soares "mereceu o lugar que tem na história" de Portugal

O deputado socialista João Soares defendeu hoje que o seu pai, Mário Soares, "mereceu o lugar que tem na história" de Portugal, no tributo que assinalou um ano da morte do antigo Presidente da República, em Lisboa.

Mário Soares "mereceu o lugar que tem na história" de Portugal

"O meu pai teve uma vida com momentos muito duros, viveu-a sempre com alegria e gosto, mesmo nas dificuldades. Mereceu - eu sei que sou suspeito em dizer isto - com a sua coragem, visão, cultura, serenidade, o seu amor a Portugal e aos portugueses o lugar que tem na história da nossa pátria", considerou João Soares, intervindo no tributo a Mário Soares, um ano após a sua morte, no Cemitério dos Prazeres, promovido pela Câmara de Lisboa.

João Soares destacou que o seu pai "mereceu ter sido o primeiro a exercer as funções de primeiro-ministro saído de eleições livres no Portugal de Abril", aproveitando para saudar os Capitães de Abril que hoje estiveram presentes na homenagem, "na pessoa do querido amigo Vasco Lourenço".

Mário Soares também "mereceu ter sido o primeiro civil eleito como Presidente da República", em 1986, disse, afirmando acreditar que "até o seu principal e estimável adversário nessas emocionantes eleições o reconhecia já então", referindo-se a Diogo Freitas do Amaral.

Da mesma forma que, acrescentou, Soares "mereceu ter tido o primeiro funeral de Estado do Portugal democrático", assinalado hoje com "uma exposição e uma homenagem belas", que agradeceu.

"Tenho saudades do meu pai, tenho muitas saudades dos meus queridos pais", afirmou.

A irmã, Isabel Soares, garantiu que filhos e netos de Mário Soares e Maria Barroso, falecida em 2015, respeitarão o seu "legado de esperança, continuando a luta pela liberdade, pela democracia e pela tolerância".

Soares "amava Portugal, que conhecia como ninguém, e acreditava nos portugueses e nas suas qualidades, mas sobretudo, amava a liberdade, a democracia e a tolerância", recordou a filha.

O seu pai era "corajoso, indomado e indomável", descreveu.

"Adorava a vida e vivia intensamente cada minuto, até estar doente, recusava falar da morte, quase como se isso nunca lhe fosse acontecer. Quando a minha mãe partiu, foi a única vez que o vi chorar, começou também ele a partir devagarinho. Deixou praticamente de sair, de ler os jornais, de se interessar pela vida política, e os seus olhos estavam já longe, cheios de uma doce melancolia", recordou, emocionada.

"Era para o João e para mim, o nosso herói", disse.

Mário Soares, que morreu faz hoje um ano, foi homenageado esta tarde com um tributo das principais figuras do Estado, junto ao jazigo onde foi depositado o seu corpo, no cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Além dos seus filhos, Isabel e João Soares, estiveram presentes o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

A seguir foi inaugurada na galeria de exposições temporárias da capela do cemitério a exposição 'A cerimónia do Adeus, o funeral de Estado de Mário Soares visto pelos fotógrafos'.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório