Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2017
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 16º

Edição

Polícia monta operação para deter suspeito de morte de Rodrigo Lapa

Operação já terminou. Suspeito já se apresentou na sede da Polícia Federal, mas recusou-se a falar.

Polícia monta operação para deter suspeito de morte de Rodrigo Lapa
Notícias ao Minuto

19:15 - 26/09/17 por Melissa Lopes

País Justiça

A Polícia Federal brasileira, em colaboração com dois inspetores da Polícia Judiciária, montou uma operação no bairro do bairro do Tijucal, em Cuiabá (no Brasil) para deter Joaquim Lara Pinto, o homem suspeito de ter assassinado Rodrigo Lapa em 2016, dando assim cumprimento ao mandado internacional.

A informação foi confirmada pelo Notícias ao Minuto pelo advogado do pai do adolescente. “É um sinal de que estão a tentar cumprir a carta rogatória”, afirmou Pedro Proença, lamentando que as autoridades brasileiras tenham arrastado o cumprimento desta carta durante um ano.

Ao longo desse tempo, sublinhou, foram dando “algumas desculpas” para justificar o atraso (primeiro, as férias judiciais brasileiras, depois falta de pessoal para dar cumprimento ao mandado). 

Neste momento, segundo Pedro Proença, a operação já terminou, não se sabendo, ainda, se foi concluída com sucesso. 

Entretanto, e de acordo com as últimas informações da Polícia Federal a que o Notícias ao Minuto teve acesso, o advogado de Lara Pinto, Rapahel Arantes, comprometeu-se a apresentar o seu cliente para ser ouvido ainda durante a tarde desta terça-feira. E assim foi. Lara Pinto apresentou-se mas recusou-se a falar, apurou o Notícias ao Minuto.

Joaquim Lara Pinto deverá ser constituído arguido no caso e, por fim, julgado no Brasil pelo crime do qual é suspeito. O advogado recorda que o bairro em causa, em Cuiabá, "é um bairro muito complicado, onde nem as ruas têm nome. É um verdadeiro faroeste", descreveu.

Na altura com 15 anos, Rodrigo Lapa, recorde-se, foi encontrado sem vida, a poucos metros de casa, em Portimão. Lara Pinto – o principal suspeito do crime - viajou para o Brasil, terra natal, no mesmo dia em que Rodrigo foi dado como desaparecido, a 22 de fevereiro de 2016.

Antecipando-se ao mandado, sublinhe-se, o suspeito fora voluntariamente à Polícia Civil, com o seu advogado, dizer-se inocente de um crime do qual estava a ser 'acusado' em Portugal. "Claro que a polícia o mandou [na altura] embora porque não havia nenhum mandado por parte da Interpol dirigida à Polícia Federal", contou Pedro Proença.

O Notícias ao Minuto está a tentar obter mais informação sobre esta operação junto da Polícia Judiciária e do Ministério Público, mas sem sucesso até ao momento. 

[Notícia atualizada às 23h59]

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório