Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Incêndios: Três frentes ativas obrigou à retirada de 16 pessoas em Alijó

O incêndio de Alijó possuía três frentes ativas cerca das 18:00, depois de várias reativações verificadas durante a tarde que aproximaram o fogo de algumas aldeias e levaram à retirada de 16 pessoas por precaução.

Incêndios: Três frentes ativas obrigou à retirada de 16 pessoas em Alijó
Notícias ao Minuto

19:28 - 17/07/17 por Lusa

País Proteção Civil

Pedro Nunes, adjunto de comando da Autoridade Municipal de Proteção Civil, fez um ponto da situação do incêndio que lavra desde a madrugada de domingo no concelho de Alijó, distrito de Vila Real, e que mobiliza 500 operacionais, cerca de 170 veículos, oito máquinas de rasto e nove aviões.

"Neste momento não há pessoas ou bens em perigo", salientou Pedro Nunes, acrescentando que não houve, até à data, o registo de "qualquer habitação destruída ou de qualquer pessoa que tenha sofrido ferimentos".

As chamas aproximaram-se e rodearam algumas aldeias durante a tarde, nomeadamente Vila Chã, Francelos, Pegarinhos e Porrais, já no concelho de Murça.

Também durante a tarde, e por precaução, foram deslocadas 16 pessoas, entre crianças, idosos e acamados, das aldeias de Carlão, Vila Chã, Francelos e Santa Eugénia.

As estradas municipais entre Vila Chã e Francelos e entre Santa Eugénia e Carlão estiveram também cortadas.

O responsável explicou que as variáveis meteorológicas, como o aumento da intensidade do vento e a sua rotação contínua, alteraram a dinâmica do fogo e trouxeram inúmeras reativações a partir da hora do almoço, reativando praticamente todo o flanco direito.

"Não é possível, nestes períodos em que o fogo desenvolve tal atividade e tal velocidade de propagação, colocar qualquer tipo de meio, seja humano seja técnico a trabalhar em cima do fogo, porque não é possível e arriscamos a vida das pessoas", acrescentou.

Durante a noite, os operacionais vão atuar de forma direta, em cima do fogo, onde tal é possível, e também de forma indireta, recorrendo à técnica do contrafogo.

"Vamos esperar que o incêndio quebre a sua intensidade para que seja possível trabalhar estas duas técnicas e que o fogo venha para um parâmetro que esteja dentro do domínio da capacidade de extinção dos meios", salientou.

O presidente da Câmara de Alijó, Carlos Magalhães, já disse que quer acionar o Plano Municipal de Emergência. À noite realiza-se uma reunião do Conselho Municipal de Proteção Civil.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório