Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 16º

Edição

Ordem dos Médicos apoia decisão dos sindicatos de convocar greve

A Ordem dos Médicos (OM) subscreve as reivindicações dos sindicatos que convocaram uma greve para quarta e quinta-feira, lamentando a degradação das condições de trabalho que leva à "insatisfação crescente dos profissionais de saúde".

Ordem dos Médicos apoia decisão dos sindicatos de convocar greve
Notícias ao Minuto

15:49 - 09/05/17 por Lusa

País Greve

"Nos últimos anos as condições de trabalho dos médicos têm vindo a degradar-se progressivamente, condicionando de forma negativa a qualidade da medicina prestada aos portugueses", refere a Ordem dos Médicos, num comunicado divulgado hoje, véspera do primeiro dia da greve nacional convocada pelos dois sindicatos médicos.

Para a OM, há uma insatisfação crescente nos médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), "o que tem constituído o motivo maior para a saída de muitos profissionais".

"A Ordem entende e subscreve as reivindicações defendidas pelos sindicatos como ficou claro na sua participação no recente Fórum Médico (...). Manifesta a sua total solidariedade e apoio a todos aqueles que, sentindo o efeito das más condições de trabalho na qualidade do exercício da medicina, decidam manifestar a sua insatisfação aderindo à greve", assinala o comunicado da estrutura representativa dos clínicos.

O Conselho Nacional da Ordem aproveita ainda para apelar ao ministro da Saúde que se empenhe em contribuir para "preservar as caraterísticas genéticas do SNS e em recuperar a medicina de proximidade".

A greve marcada para quarta e quinta-feira é um protesto pela ausência de medidas concretas do Governo num conjunto de reivindicações sindicais que têm tentado estar a ser negociadas ao longo do último ano.

Limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200, imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência e diminuição do número de utentes por médico de família são algumas das reivindicações sindicais.

Os sindicatos também querem a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%. Exigem a reversão do pagamento dos 50% com retroatividade a janeiro deste ano.

O Ministério da Saúde e o ministro Adalberto Campos Fernandes têm dito que não negoceiam sob pressão e consideram-se empenhados no diálogo com os sindicatos médicos.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório