Bebé que morreu na Guarda estaria viva quando mãe chegou ao hospital

A ser verdade, ganha peso a tese de que a bebé poderia ter sobrevivido se a mãe tivesse tido o acompanhamento necessário.

© Global Imagens
País Processo

A bebé que morreu há um mês no hospital da Guarda estaria viva quando a mãe chegou às urgências.

PUB

A alegação poderá ser confirmada pelo registo de batimentos cardíacos, refere a SIC Notícias, dados que já foram enviados para o Ministério Público, responsável pela investigação ao sucedido.

O caso remonta a fevereiro, altura em que Cláudia Costa se deslocou à Unidade de Saúde da Guarda com perdas de sangue.

A professora, que estava grávida de 37 semanas, acabaria por perder a bebé, e acusou a unidade hospitalar de falta de acompanhamento. Recorde-se que esta mãe terá estado uma hora e meia à espera de ser atendida.

O caso continua a ser investigado, sabendo-se agora que existem provas de que a bebé ainda estava viva quando a mãe chegou ao hospital.

O MP quer pedir um parecer médico ao Instituto de Medicina Legal para perceber se haveria alguma hipótese de o bebé ter sobrevivido. Em função da resposta irá deduzir ou não acusação contra o hospital e os médicos de serviço.

A ser verdade, a Unidade de Saúde da Guarda pode incorrer numa acusação de aborto e de omissão de auxílio.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser