Naturistas portugueses: Sem nada a esconder, para aceitar a própria pele

A roupa esconde, manipula, diferencia. Encobre complexos e feridas de autoestima. Por isso, eles dispensam-na.

© Federação Portuguesa de Naturismo
País Naturismo

Foi também uma conquista do 25 de Abril, mas quem pratica diz que o naturismo não é só sinónimo de liberdade – é “libertador”, relata ao Notícias ao Minuto Rui Elvas, presidente da Federação Portuguesa de Naturismo, que este mês assinala 40 anos de existência.

PUB

Em quatro décadas muita coisa mudou. Legalizado em 1988, o naturismo é praticado por cada vez mais jovens e famílias com crianças. Há dois mil naturistas sócios na FPN, entre 10 a 15 mil praticantes não federados em Portugal.

Quanto à aceitação na sociedade, “o processo é mais lento”. Ainda há “um certo estigma” associado a preconceitos. Não, o naturismo não é uma expressão exibicionista ou sexual, esclarece Rui Elvas. E ainda que seja uma prática social, é a auto-imagem, e não a perceção do outro, que tem mais impacto.

“A roupa é feita para esconder, para alterar, para manipular. No naturismo isso não é possível. Vou sentir-me muito mais natural, mais ‘eu’, muito menos preocupado com o que os outros pensam de mim. Em termos psicológicos ajuda imenso pessoas com problemas de autoestima”, frisa.

O naturista aprende a “sentir-se bem na sua pele”, a parar de “tentar mostrar o que não é” e a aceitar o corpo com todos os seus ‘defeitos’, um corpo que descobre ser, afinal, igual ao de todos os outros. “Há, inclusive, mulheres mastectomizadas a fazer nudismo”, conta Rui Elvas.

Segundo estimativa da FPN, “97% das pessoas convertem-e ao naturismo desde a primeira vez que experimentam”. Habitualmente os homens têm mais complexos com o corpo do que elas, já as crianças “são naturistas natas”. Qualquer pessoa pode pedir à federação ajuda na integração.

O naturismo ao ar livre está associado ao bem-estar de sentir o sol, a água e o vento na pele despida, mas a prática não está circunscrita às praias (oito oficiais e cerca de uma dezena onde a prática é tolerada). A FPN organiza atividades em resorts, piscinas, yoga e até jantares em restaurantes.

Portugal poderá receber pela primeira vez o Congresso Internacional de Naturismo no próximo ano. A candidatura está feita e a Câmara de Almada já aceitou apoiar o evento, falta apenas o ‘ok’ da Federação Internacional de Naturismo.

Mas nem todas as autarquias têm a mesma postura. Apenas uma das praias para naturistas tem nadador-salvador e nenhuma está concessionada. A luta para que os naturistas deixem de ser “as ovelhas negras dos banhistas” continua, garante Rui Elvas.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser