Providência cautelar trava fecho de centros de inspeção, diz Grupo CIMA

O grupo dono dos centros de inspeção em Sines, Seia, Castelo Paiva e Ponte de Lima garante que estes não vão fechar, como anunciou hoje o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), por efeito de uma providência cautelar.

© DR
País IMT

Em comunicado, o grupo CIMA informa que a decisão de fecho dos centros de inspeção foi objeto, em 23 de novembro, de providências cautelares que ditaram a "suspensão de eficácia de atos administrativos".

PUB

"O efeito prático e jurídico é a continuação da atividade dos referidos centros", refere em comunicado o grupo CIMA, desmentindo o encerramento de quatro centros de inspeção em Sines, Seia, Castelo Paiva e Ponte de Lima.

Numa nota publicada hoje na página na Internet, o IMT anunciou que os centros de inspeções de Sines (código 245), Seia (código 065), Castelo Paiva (código 083) e Ponte de Lima (código 002) não se adaptaram às exigências técnicas impostas dentro do prazo legalmente estabelecido.

Assim, o organismo adiantava que, em cumprimento do enquadramento legal em vigor, impôs a cessação da atividade inspetiva nos quatro centros, a partir das 00:00 de hoje.

Mais, o grupo CIMA manifesta "profunda indignação face à atuação de um grupo de funcionários e técnicos do IMT", considerando-a lesiva dos interesses patrimoniais e da imagem de credibilidade técnica e sólida reputação profissional do grupo, com mais de 40 centros de inspeção e que emprega cerca de 700 pessoas.

Na mesma nota enviada à Lusa, o grupo lembra que tem o direito de responsabilizar civil e criminalmente os autores materiais e morais do que considera ser "uma campanha orquestrada cujo objetivo é causar-lhe prejuízos de dimensão incomensurável que a seu tempo, e pelos meios próprios, serão objeto dos procedimentos que ao caso couberem".

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS